EUA: fraude em Washington, D. C.

Matéria no Washington Post denuncia decisão que favoreceu altas proficiências na cidade.

Segundo o Jornal:

“Os ganhos dos alunos das escolas públicas de quatro pontos alcançados em toda a cidade nos testes anuais mais recentes em matemática e leitura foram aclamados como históricos, como mais uma prova de que a abordagem da cidade para melhorar as escolas está funcionando.

Mas os ganhos de matemática relatados foram resultado de uma decisão silenciosa para pontuar os testes de forma a conseguir maior pontuação, mesmo que os alunos da cidade tivessem muito menos questões de matemática corretas do que no ano anterior.”

Para Diane Ravitch:

“A lição nesse episódio não é a de que os funcionários não são confiáveis​​, mas que o resultado dos testes é uma questão de julgamento humano, e não de ciência. O julgamento humano pode ser baseado em considerações políticas. Ou não. Mas devemos parar de acreditar que os testes padronizados são uma medida científica, como um barómetro ou um termómetro.”

Quantos casos mais serão necessários para abalar nossa confiança nos testes?

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Links para pesquisas, Reforma e Fraudes, Responsabilização/accountability. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s