Governo troca 12 postos no CNE – II

Fizemos um rápido rastreamento na mídia para saber o que ela diz sobre os novos ocupantes do Conselho Nacional de Educação.

Novos ocupantes da Câmara de Educação Básica

William Ferreira da Cunha que já trabalha na gestão de Carlos Nadalim (Secretaria de Alfabetização do MEC). Carlos Nadalim é considerado Olavista.

Gabriel Giannattasio, historiador, professor da Universidade Estadual de Londrina. Tem se dedicado nos últimos quatro anos ao tema da diversidade ideológica nas Universidades, tendo criado e coordenado o projeto de extensão ‘UEL, a casa da tolerância’. Tem ligação com as teses de Olavo de Carvalho.

Valseni José Pereira Braga, Diretora Geral da Rede Batista de Educação.

Tiago Tondinelli, advogado, procurador que ocupou o cargo de chefe de gabinete do ex-ministro Ricardo Vélez Rodríguez. Tem influência de Olavo de Carvalho.

Fernando César Capovilla, professor de Psicologia da USP e que atuou na elaboração da Política Nacional de Alfabetização (PNA) de  Carlos Nadalim no MEC.

Amábile Aparecida Pácios, candidata derrotada ao Senado pelo PR-DF e que preside o Grupo Educacional Dromos e também presidiu a Federação Nacional das Escolas Particulares e hoje ocupa o cargo de vice-presidente desta. Nas eleições defendia o movimento Escola sem Partido.

Augusto Buchweitz, professor da Escola de Ciências da Saúde da PUC-RS e que também atuou na elaboração da Política Nacional de Alfabetização (PNA) com Carlos Nadalim no MEC.

Novos ocupantes da Câmara de Ensino Superior

Anderson Luiz Bezerra da Silveira, Professor da UFRRJ, Doutor em Ciências Fisiológicas e mestre em Educação Física.

Aristides Cimadon, que era um dos candidatos a Ministro da Educação entrevistado por Bolsonaro, Reitor para a gestão 2016-2020 e professor titular da Universidade do Oeste de Santa Catarina – Unoesc. Ex-Presidente da ACAFE (Associação Catarinense das Fundações Educacionais).

José Barroso Filho, ministro do Superior Tribunal Militar.

Wilson de Matos Silva é dono do Centro Universitário Cesumar. Ele foi eleito suplente do senador Álvaro Dias (Podemos).

 

Para alguns, a lista deixada por Weintraub foi amenizada pelo fato de:

“nomes considerados olavistas terem ficado de fora: Jean Marie Lambert, Antônio Veronezi, Luiz Henrique Amaral e Ricardo Luís Silveira da Costa.

Apesar disso, um dos olavistas, Tiago Tondinelli, ex-chefe de gabinete do ex-ministro Ricardo Vélez Rodríguez, foi aceito pelo presidente. Amábile Pácios, defensora do Escola sem Partido, e o conservador Gabriel Giannattasio também foram nomeados.”

Veja aqui.

No entanto, contrariamente, outros consideram que houve um avanço de nomes olavistas, ou ligados a olavistas dentro do CNE, possivelmente para compensar uma eventual perda do cargo de Ministro da Educação – segundo o Estadão.

Veja aqui.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais, MEC sob Bolsonaro. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Governo troca 12 postos no CNE – II

  1. Pingback: Bate e assopra no MEC? Essa conversa não cola - Sinprosasco

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s