REDUCA: empresariamento da educação na AL

Erika Moreira Martins defendeu tese de Doutoramento na Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP – sob orientação da Dra. Nora Rut Krawczyk com o título: EMPRESARIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NA AMÉRICA LATINA: REDES EMPRESARIAIS PROL EDUCAÇÃO.

Resumo

O objetivo da pesquisa é investigar a mobilização — o conjunto de propostas, iniciativas, e ações — de grupos empresariais prol educação na América Latina, a partir do estudo da REDUCA (Rede Latinoamericana de Organizações da Sociedade Civil para a Educação). A REDUCA representa o fortalecimento de uma ação organizada empresarial que conecta diversas associações do espectro da nova direita aos interesses de governos de turno.

Orquestrada por organizações internacionais que expressam o padrão de dominação imperialista na América Latina, a REDUCA, se estrutura em torno de um processo de reinvenção do capital com vistas a salvaguardar interesses mercantis. Por isso, sustentamos que o fundamento desta ação empresarial está na ‘estratégia de acumulação’, que se estende a questões políticas e ideológicas, nas quais a educação representa uma dimensão decisiva. Articulando processos globais, trajetórias nacionais e dinâmicas regionais, metodologicamente, utilizamos a abordagem relacional, na qual a ação coletiva empresarial seria o resultado das relações de forças existentes, destacando a dimensão conflitiva e histórica.

Uma vez que a REDUCA se constitui como uma ‘rede de redes’ promovendo a ‘governança em rede’, ao interior da Análise de Redes Sociais mobilizamos os conceitos de ‘redes de políticas’, bem como instrumentos como a etnografia de redes. Como resultados, temos que a reorganização empresarial, no espaço de incidência na política educativa, deve ser entendida como parte de um projeto hegemônico que afirma seu interesse geral na acumulação, mas que, igualmente, alavanca os interesses particulares das forças subordinadas.

Com efeito, o surgimento da REDUCA, pode ser assimilado como parte da resposta que atende tanto aos anseios empresariais, quanto aos interesses do imperialismo estadunidense diante dos novos contornos geopolíticos. O fortalecimento e aprofundamento dos vínculos entre empresariado e educação tem alcançado um nível inédito na história latinoamericana: situação que impôs aos empresários o refinamento da matriz discursiva sobre a participação da ‘sociedade civil’ e ‘direito à educação de qualidade’.

Para as frações burguesas latinoamericanas esta seria uma tentativa de realinhar forças sociais em torno a estratégias de acumulação e projetos estatais, dinamizando a acumulação do capital em escala nacional ou internacional. Por sua vez, o imperialismo, mantém sua dominação e dependência da região, garantindo uma penetração realizada por eficientes ‘organizações’ conectadas em redes. As relações de dependência continuam vigentes, mas agora, são revigoradas e dinamizadas.

MARTINS, E. M. Empresariamento da educação básica na América Latina: Redes empresariais prol educação. Tese (Doutorado)—Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2019.

Baixe aqui.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Links para pesquisas, Meritocracia, Privatização, Responsabilização/accountability e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s