Mais segregação

Postado originalmente na UOL em 8/12/2012

Varios relatórios têm mostrado que as escolas charters americanas tem uma taxa de matrícula de pessoas com necessidades especiais menor que as escolas públicas. Um relatório recente pretendeu mostrar o contrário. Agora, o NEPC em Colorado, revisou este último relatório e conclui que apesar de alguns pontos elogiosos, ele não consegue contrariar o que os relatórios iniciais diziam, ou seja, que as escolas charters americanas têm uma matrícula de crianças com necessidades especiais menor. Inseridos em processos de responsabilização e meritocracia, as escolas charters não têm predileção por acolher em seu interior pessoas com necessidades especiais, pois estas implicam em um custo maior.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Escolas Charters, Links para pesquisas, Postagens antigas da UOL, Segregação/exclusão e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s