Haddad: persistindo no erro

Neste final de semana, Haddad escreveu para a Folha um artigo em que comenta a reforma do ensino médio proposta por Temer. Diz ele:

“Permaneci no Ministério da Educação (MEC) por oito anos. Criei a Prova Brasil e a partir dela o Ideb, índice que mede a qualidade da educação básica, escola por escola, rede por rede.

A ideia era a de monitorar a evolução da qualidade, permitindo identificar boas práticas, criar uma cultura de responsabilização e fixar metas aferíveis a cada dois anos, de modo a atingir patamar de qualidade de educação de país desenvolvido. Até o final da minha gestão, todas as metas de qualidade foram cumpridas ou superadas.”

Não espere parabéns pois estas ações, ex-ministro. Foram equivocadas e pavimentaram o caminho para as reformas empresariais da educação que estão em curso agora no governo Temer de forma mais incisiva. O PT implantou a ideia de que a avaliação censitária salvaria a qualidade da educação brasileira (Prova Brasil). Comprou a visão de uma reforma baseada em testes e responsabilização. Reforçou a ideia herdada da época de FHC, de que “médias mais altas nas escolas são sinônimo de boa educação” – uma perfeita bobagem que se agrava quando se toma por base apenas duas disciplinas da escola e não melhora se estendermos para todas.

Haddad deveria tirar de seu currículo o fato de ter criado a Prova Brasil censitária e fazer uma autocrítica. Os Estados Unidos, país que mais pratica esta vertente da reforma empresarial da educação, não tem avaliação nacional censitária (são os estados que realizam as avaliações censitárias). A avaliação nacional é amostral. A Finlândia não faz avaliação censitária de larga escala ao longo da educação básica.

Mas a “colônia” tinha que ir além, fazer mais: instalou uma prova que é censitária (note, apenas para as escolas públicas do fundamental I e II, mantendo o formato amostral para as escolas privadas e para o ensino médio) e que é realizada ao longo da avaliação básica (5a. e 9a. séries do fundamental e 3a. do médio). Seu parceiro de aventura e mentor do IDEB, Reynaldo Fernandes, ex-presidente do INEP, hoje defende a privatização da educação. E o ex-ministro acha que ajudou a educação brasileira com isso.

Para o ex-ministro, a reforma do ensino médio da MP do governo Temer vai pelo caminho errado.

“Receio que a reforma do ensino médio proposta pelo governo, longe de resolver, torne ainda mais distantes os objetivos almejados.”

Ele apoia a reorganização por áreas proposta pela reforma – na esteira da reformulação do ENEM de 2009; reclama de que a reforma não dialoga coma realidade concreta dos jovens (mas é a mesma razão que o governo alega para promover a MP); reclama do descaso dos governos estaduais; fala que a carga horária mínima de 7 horas é surreal; critica o desconhecimento da reforma sobre o ensino noturno; critica a obrigatoriedade apenas de língua portuguesa e matemática nos três anos do ciclo e seus impactos na formação de professores.

No entanto, em nenhum momento toca no ponto central: ampliação da segregação escolar por indução dos mais pobres a transitar pela área profissional/técnica, em direção ao mercado de trabalho – não por opção, mas por condição de vida.

No artigo, apresenta também as sugestões:

“1) Fim do vestibular e revisão da matriz do Enem em consonância com a base comum nacional; 2) Obrigatoriedade do Enem como componente curricular e sua adoção como métrica da qualidade; 3) Inclusão de ciências da natureza na Prova Brasil do 9o ano; 4) Apoio federal para reestruturação do ensino médio noturno; 5) Integração do ensino médio com formação profissional, sobretudo na educação de jovens e adultos; 6) Permissão para que prefeituras que universalizaram a educação infantil e o fundamental possam investir no ensino médio com recursos do Fundeb; 7) Fortalecimento do ensino médio federal.”

Nenhuma palavra em relação aos graves problemas sociais que impactam a juventude; nenhuma referência ao sistema do “professor borboleta” implantado em nosso país, com professores pulando de escola em escola para dar uma aula aqui, outra acolá para completar a jornada. Nada sobre a participação da juventude na gestão das escolas; nada sobre o volume de alunos nas salas de aulas; sobre a falta de apoio à permanência dos jovens em nossas escolas ou sobre um sistema decente de formação de professores – entre outros.

Tirando os pontos quatro e cinco de suas sugestões, é pouco provável que os atuais ocupantes do MEC tenham alguma divergência muito grave com as demais propostas. O ex-ministro convive bem com as teses das reformas empresariais da educação (itens 1, 2 e 3). Foi este “hibridismo” que travou as políticas educacionais do PT e pavimentou o caminho para as políticas atuais, ao invés de dar àquelas um rumo diferente.

O PT, ao lado de acertos, cometeu uma série de equívocos para os quais foi alertado quando ainda estava no governo. Não ouviu. Saído dele, continua a promove-los sem que nenhuma das críticas que recebeu faça efeito, tal como não fez durante os anos em que esteve no próprio governo.

Errar é humano, mas persistir no erro, tem nome.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Ideb, Mendonça no Ministério, Meritocracia, Prova Brasil, Responsabilização/accountability e marcado . Guardar link permanente.

2 respostas para Haddad: persistindo no erro

  1. Guilherme disse:

    Obrigado pelo artigo, Luiz.
    Eu só gostaria de fazer uma observação: não se trata de burrice do Haddad ou do PT, mas dos interesses de classe que representa.
    Com sua política conciliatória, o PT tornou-se um partido burguês.
    É essa política conciliatória que abriu o caminho para a direita, e o impeachment foi só um exemplo.
    Em educação, como você sempre denunciou, Haddad-ministro realizou uma enorme transferência de dinheiro público para as instituições privadas, possibilitando o surgimento do maior grupo educacional do mundo, Kroton-Anhanguera.
    A mesma coisa aconteceu com as creches conveniadas em sua gestão na prefeitura de São Paulo, coisa que será levada adiante por Dória.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s