Bônus e corrupção nas empresas

A ideia de pagar bônus para aumentar a produção das empresas (ou para aumentar as médias das escolas nos sistemas educacionais) é algo antigo que nunca funcionou adequadamente, apesar do grande alarde que a reforma empresarial da educação faz da ideia. Vários estados brasileiros usam esta prática, especialmente São Paulo.

Na seção “Entrevista da 2ª” de hoje, a Folha de São Paulo entrevista Jermyn Brooks. “Bônus pagos a executivos estimulam corrupção” esta é a opinião de um dos maiores especialistas mundiais em combate à corrupção, integrante da Transparência Internacional. Não é diferente quando se usa bônus no âmbito dos sistemas de ensino ou na área médica.

“As empresas pagam salários de US$ 1 milhão por ano e, provavelmente, dois terços desse valor são bônus. A empresas dão incentivos errados às pessoas pelo modo como pagam os funcionários de alto escalão.”

A Folha de São Paulo, defensora de pagamento de bônus para professores e demissão para os que não atingem as metas do IDEB, deveria ler a entrevista e aprender.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Meritocracia, Reforma e Fraudes, Saresp e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s