Renato Feder reúne-se com Bolsonaro

Feder, potencial candidato a ministro da Educação, esteve com Bolsonaro no que foi considerado como uma sondagem de suas ideias para uma eventual indicação.

Ao falar ao Estadão sobre sua ida a Brasília afirmou que o livro que escreveu com Alexandre Ostrowiecki – Carregando o elefante – onde propõe vouchers, entre outras medidas para a educação, é muito antigo e não corresponde ao que ele pensa hoje, sobretudo no que se refere à parte da educação:

Toda a parte da escrita sobre educação eu não concordo. A questão dos voucher eu não concordo e não deu certo em nenhum lugar no mundo”, concluiu.

Leia aqui.

No entanto, há que se considerar que existem dois caminhos para a privatização da educação: a) por voucher, seu ponto mais desenvolvido e b) por terceirização das escolas para ONGs e empresas operadoras, seu ponto inicial. Pode-se começa pela terceirização de escolas para criar, paulatinamente, um mercado educacional e estimular o empresariado a se desenvolver na área, para somente depois acionar a segunda fase, a relativa a vouchers.

Portanto, aguardemos se o candidato a ministro também se manifestará sobre a questão da terceirização das escolas, que não está abordada em seu antigo livro.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais, Escolas Charters, Privatização, Vouchers e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s