Educadores resistem à BNC Formação

O blog da Formação atualiza o posicionamento de Colegiados de Curso e de Unidades, contrários à Resolução CNE 02.2019 e contra o Edital Edital Nº 35 do MEC que instituiu em 21 de junho pp., o Programa Institucional de Fomento e Indução da Inovação da Formação Inicial Continuada de Professores e Diretores Escolares que tem como objetivo central fomentar em 11 estados, por meio de “arranjos institucionais”, a implementação da Resolução 02.2019 que desconstrói projetos institucionais sintonizados com uma concepção emancipatória de formação de profissionais para a educação básica.

Leia aqui.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais, Estreitamento Curricular, Responsabilização/accountability e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Educadores resistem à BNC Formação

  1. Thomas Morus disse:

    Voltará o Brasil a ser colônia?

    Todo mundo sabe, exceto os selenitas, que, desde a Antiguidade, os povos que se constituíram em potências imperiais, reuniram pelo menos um dentre esses dois atributos: objetivos e concepção estratégica e vontade nacional.

    No século XXI temos os exemplos dos Estados Unidos, por ora a única superpotência global, e o da China. O Brasil, que não tem nenhum dos dois atributos mencionados, parece que se resigna a caminhar de volta para a condição de colônia, onde era proibido tipografia e imprensa e também fabricação de bebidas, para que fôssemos obrigados a beber o vinho de Portugal. Um Brasil de analfabetos.

    Com a destruição da nossa engenharia e da nossa indústria, comprovam-se as palavras do filósofo André Gorz, segundo as quais “O sistema de ensino está montado para produzir fracassados, que não terão alternativa que não seja a de aceitar trabalhos de baixa qualificação e pífia remuneração”. De fato, colônia não precisa ter mão de obra qualificada, nem engenharia de alto nível, resignando-se a viver da exportação de produtos agrícolas. Daí a avacalhação do sistema de ensino, em todos os níveis. O ensino superior está a cargo de mais de setenta por cento de instituições privadas, onde prevalecem as arapucas caça-níqueis de ensino fracassado.

    Todavia, essa subserviência, que ignora as palavras de um antigo Secretário de Estado norte-americano, John Foster Dulles, “UM PAÍS NÃO TEM AMIGOS, TEM INTERESSES”, não pode depor a favor do caráter das pessoas que cuidam do sistema de ensino no Brasil.

    O atual governo não destruiu a cultura e o sistema de ensino do Brasil, pois este já faliu há muito tempo, através da desídia de sucessivos governos. Mas tudo indica que estão querendo colocar o prego no caixão. Existem exceções. Temos boas escolas e bons professores. Mas são Rari nantes in gurgite vasto.

    Até onde irá essa pouca vergonha?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s