Quando a avaliação vira caso de polícia

Postado originalmente na Uol em 23/12/2011

Controle gera contra-controle, dizia o behaviorista B. F. Skinner nos idos dos anos 70. Também D. Campbell alertava em 1976 para as fraudes que os processos de associação de indicadores a sistemas de pressão, poderiam gerar.

Mas os reformadores empresariais acham que sabem como evitar a fraude nestes processos e “consertar” a educação. Pensam que com alguma “engenharia” e “estatística” controlam estes fatores. Via de regra, como se verá abaixo, adicionam mais pressão e realimentam o ciclo de problemas.

Mas a prática, a realidade, no entanto, insiste em mostrar o contrário e a “sabedoria” dos reformadores não tem conduzido ao sucesso proclamado.

Nós, educadores profissionais, sempre soubemos que a pressão do professor sobre o aluno, pode gerar fraude nas provas. Igualmente, a experiência americana tem mostrado que a pressão dos sistemas centrais sobre o professor gera fraude – o mesmo ocorre se a pressão é sobre o diretor.

Pressão, não é uma boa companheira das reformas educacionais – infelizmente, isso só será reconhecido pela prática – com o necessário custo que isto implica.

Trapaça em testes padronizados e baratas

Por Valerie Strauss

Publicado às 06:00 ET, 2011/06/29

Cidade após cidade, temos ouvido recentemente sobre um cenário de novas fraudes ou revelações de suspeita de trapaça que, aparentemente, levou o Secretário de Educação Arne Duncan a enviar uma carta na semana passada aos Secretários de Educação do país sobre a importância de salvaguardar o processo de testagem, de acordo com uma cópia publicada pelo Baltimore Sun.

Quando os funcionários de escolas de Washington, DC, por exemplo, jogaram fora a pontuação no mês passado dos testes padronizados de 2010 de três salas de aula, quem realmente pensou que o problema estivesse limitado a estas três?

Continue lendo (em inglês) em:

http://www.washingtonpost.com/blogs/answer-sheet/post/cheating-on-standardized-tests-and-roaches/2011/06/27/AGbDempH_blog.html

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Meritocracia, Postagens antigas da UOL, Reforma e Fraudes. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s