Escola é empresa?

Postado originalmente na Uol em 29/09/2011

O raciocínio dos reformadores empresariais está baseado na fé que têm na transferência dos procedimentos da iniciativa privada para o campo da educação. A educação como negócio. Como se trata de fé, não é racional nem depende de evidência empírica.

Cercada de meias verdades e bravatas, a arrogância de quem tem acesso fácil à imprensa para dizer aquilo que ela quer sem ter que demonstrar nada, está expressa na frase que segue:

“É irrelevante perder tempo indagando se a escola tem “produto”, se ensino é “mercadoria”, se “produtivismo” é neoliberal e outras fantasias do mesmo naipe. Importa reter que instituições das mais variadas naturezas e índoles têm muito em comum e que há boas regras e ferramentas que servem para todas. Como o setor produtivo se antecipou aos outros, há excelentes razões para aprender como ele. Com efeito, quem entendeu isso está ganhando qualidade. “

Pronto, está decretada a verdade – faltou combinar com os fatos…

Leia abaixo o texto.

Escola é empresa?

Com dedo em riste nos dizem: “Escola não é empresa”, “educação não é produto”, “avaliação é neoliberal”, e por aí afora. Passemos ao largo desses soluços semânticos

CLAUDIO DE MOURA CASTRO

ECONOMISTA, ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,escola-e-empresa-imp-,778472

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais, Postagens antigas da UOL. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s