Muitos corpos pelo caminho…

Postado originalmente na Uol em 11/04/2011

Na Folha de SP de hoje (11-4-2011) Ricardo Semler, empresário, reflete sobre educação. Alertado por um estudo da Universidade de Chicago, ele descobriu que o atual formato das escolas não é bom para a juventude. Ótimo, antes tarde do que nunca. Se empresários e economistas dessem ouvidos aos educadores profissionais, poderiam ter percebido isso há mais tempo. O estudo da Universidade de Chicago mostra que 96,7% de tudo que é passado como matéria na escola é esquecido por completo. Era so conversar com os professores nas escolas e isso seria revelado. Mas claro, Chicago é Chicago.

Os estudos sobre avaliação alertam que preparar para os testes que os governos fazem frequentemente para provar sua grande qualidade de ensino, não é o mesmo que ensinar os alunos. Vide os americanos que estão entalados no PISA há 10 anos. Mas a virtude de Semler é fazer a pergunta que os governos temem: “Que escola dita forte ou de elite teria a coragem de reaplicar uma prova de, digamos, biologia, um ano depois, para o mesmo grupo de alunos? Sabe que vai ver nota 2 onte havia uma nota 9 um ano antes”. Pois é. E por que continuamos a testar, testar e testar e a achar que ir bem em testes é ter uma boa educação? http://www1.folha.uol.com.br/fsp/saber/sb1104201103.htm .

Aliás, hoje a Folha resolveu atirar contra os rankings das universidades. A pergunta é avassaladora: “Quem ranqueia os rankings?”. Um estudo crítico do último ranqueamento das universidades conclui que a USP pode variar entre a 19a. e a 471a. posição na dependência dos critérios que se usem para ranquear. Perfeito. Entretanto, há que se completar que a escolha dos critérios é um fenômeno subjetivo e marcado pelas concepções de quem os escolhe. Esta é a questão. Daí que se tenha argumentado contra o ranqueamento em vários níveis de ensino, pois o que vale para o ranqueamento das Universidades – que desagradou a elite paulista pois a USP fica em má posição -, vale também para o ranqueamento que se faz na Secretaria de Educação deste mesmo Estado para pagar bônus às equipes escolares – procedimento copiado da Cidade de Nova York e abandonado ano passado naquela mesma Cidade. Dezenas de estudos mostram que os ranqueamentos – mesmo os feitos em base a dados acumulados por vários anos e com técnicas de valor agregado sofisticadas – oscilam gerando falsos positivos e falsos negativos. E por que continuamos a ranquear escolas, ranquear professores, alunos, etc…

Não é diferente também o ranqueamento que a CAPES faz dos Cursos de Pós-Graduação. Uma metodologia “porca” que só se mantém porque deve ser critério para ocupar a Presidência da Capes ser autista e nomear CTCs igualmente autistas que auto-proclamem seus procedimentos de avaliação como sendo “de nível mundial” ou ainda melhor. A CAPES jura que tem um sistema de avaliação que é modelo para o mundo. Um dia vamos rir de tudo isso, como estamos rindo hoje do ranqueamento das Universidades. Entretanto, enquanto isso, estas metodologias vão deixando muitos corpos pelo caminho. Corpos da juventude que é levada a crer que esta corrida é o motivo central da vida. Corpos de jovens pesquisadores que acham que se engordarem seus currículos no Lattes, serão considerados bons pesquisadores. Corpos de professores que indignados com a política de envengolhá-los perante a sociedade abandonam a profissão. Corpos de alunos que são desestimulados a prosseguirem seus estudos pois acreditam nos resultados de testes cuja validade não é conhecida nem mesmo por quem os construiu.

Quem sabe um dia os educadores profissionais sejam ouvidos. Claro, não no dia seguinte a episódios como o massacre do Realengo, no Rio.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais, Postagens antigas da UOL e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s