Desinformado ou tendencioso? Escolha.

O Deputado Raul Henry deu a seguinte declaração à Revista Veja, em uma entrevista sobre a Lei de Responsabilidade Educacional que ele está fazendo:

“Dizem que melhoramos em relação a nós mesmos, quando até os dados do MEC apontam para uma estagnação e até retrocesso em algumas séries. E pergunto: não estamos em plena era da competição global? A corrida é com os outros. Vi os últimos dados da Organização Internacional do Trabalho e fiquei espantado. A produtividade do brasileiro é baixa: corresponde a 18% da americana, e vem caindo. Evidentemente, isso não é fruto de um país que está fazendo seu dever de casa em relação à Educação. Às vezes, indago a meus colegas de Câmara: “O Brasil está na rabeira e não vamos fazer nada?”. É preciso quebrar essa lógica silenciosa que perpetua o fracasso.”

Ver matéria integral aqui.

 Bem, veja agora, o que dizem os estudos sobre a produtividade brasileira:

O Brasil no World Competitiveness Yearbook 2013

2012

2013

2012

2013

Performance Econômica

47

42

Eficiência dos Negócios

27

37

Economia Doméstica

25

31

Produtividade e Eficiência

52

58

Comércio Internacional

56

59

Mercado de Trabalho

17

23

Investimento internacional

30

20

Finanças

28

27

Emprego

6

6

Práticas Gerenciais

20

27

Preços

55

56

Atitudes e Valores

15

32

Eficiência do Gov.

55

58

Infraestrutura

45

50

Finanças públicas

41

45

Básica

50

55

Política Fiscal

37

38

Tecnológica

54

57

Marco Regulatório

55

58

Cientifica

33

36

Legislação dos negócios

55

58

Saúde e Meio-Ambiente

35

35

Estrutura Social

53

55

Educação

54

56

Primeiro, não é só educação que interfere com o cálculo da produtividade de um país.

Segundo, o indicador educação como se pode ver acima, não piorou. Só melhorou.

Houve queda na performance econômica (47 para 42 nos últimos dois anos), queda em investimento internacional, estagnação em emprego, estagnação em saúde e meio-ambiente e queda em finanças. Outros aspectos cresceram tanto quanto a educação (dois pontos): preços, política fiscal, estrutura social.

Nenhum destes fatores foi lembrado pelo nobre deputado…

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s