Ainda bem que rejeitou

O mais novo especialista em alfabetização – ele muda a cada semana de especialidade – é o senhor Hélio Schwartsman. Agora ele entende também de alfabetização a ponto de pontificar em sua coluna – este é o seu real poder, ter uma coluna – como deve ser o processo de alfabetização das crianças. Parece que ter uma coluna na Folha de S. Paulo, autoriza a se falar sobre tudo que se queira com autoridade de qualquer especialista. Fosse câncer de próstata e só o Dr. Srougi teria credibilidade, mas em educação é mais light.

Segundo Hélio, “a Câmara, com apoio do governo, prestou um desserviço à educação, ao rejeitar uma emenda à MP 586 que reduziria de 8 para 6 anos a idade ideal para as escolas alfabetizarem a garotada.” (Folha, 9-3-2013).

Ainda bem que rejeitou. A alfabetização, se a emenda passa, iria começar de fato aos 4 na pré-escola, antecipando a escolarização e roubando a fase das brincadeiras, dos jogos e da interação da garotada. Onde aconteceu isso? No país que já testou todas estas baboseiras, os Estados Unidos. Mas como aqui basta ter uma coluna para se ter a verdade e não se precisa de dados para fazer política pública, pode-se igualmente fazer estas propostas mesmo não se entendendo nadinha de alfabetização ou de educação.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Avaliação na Educação Infantil. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s