INEP: balançando o cavalo pelo rabo

Causa surpresa que o presidente do INEP, Prof. Francisco Soares, tenha sido alçado pelo Ministro Paim e pela mídia a novo articulador do currículo da educação básica no Brasil. A surpresa é porque, ao que se sabe, o INEP cuida da avaliação e não de currículo. Há até uma Secretaria da Educação Básica no MEC, a SEB, que trata desta questão e no entanto, está muda. Quem está falando na mídia sobre currículo é o presidente do INEP.

O perigo desta situação foi muito bem indicado pela grande educadora Menga Ludke em um seminário na Faculdade de Educação da Unicamp há algum tempo: discutir currículo a partir da avaliação é como “balançar o cavalo pelo rabo”.

A avaliação deve estar a serviço do currículo e não o currículo a serviço da avaliação.
Deixar o INEP dar o norte para a questão curricular conduzirá a uma “taxonomia de Bloom” voltada para alimentar a realização de itens para a avaliação da Prova Brasil. Isso, como visão curricular é extremamente pobre.

Francisco Soares é estatístico, grande conhecedor de medidas educacionais. Ao que nos consta não tem estudos sobre currículo da educação básica. Pelo menos, é preciso respeitar as competências e a própria divisão de trabalho no MEC.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Estreitamento Curricular. Bookmark o link permanente.

6 respostas para INEP: balançando o cavalo pelo rabo

  1. João Palma. disse:

    Luiz Carlos, lá na minha terra, costumava-se dizer, que é colocar “a carroça à frente dos bois”.
    Falando sério: será que a recente experiência da Secretaria da Educação com o Programa “São Paulo o Faz Escola”, já não mostro que isso não funciona”.

  2. É este o significado. Inversão. Mas pelo que tenho visto da experiência de outros países (EUA e Chile, em especial) este pensamento não depende de resultados da experiência. A adesão é uma questão de fé. Acredita-se e ponto. Por isso, desenvolve-se apoiado em profissionais que não têm experiência significativa em redes de ensino.

  3. João Fiorini disse:

    Enquanto os governos privilegiarem o político em detrimento do técnico, estas aberrações irão acontecer. Em suma: cada povo tem o governo que merece!

  4. Anizio Nunes disse:

    É como dar a resposta, e pedir ao educando que faça a pergunta. Com várias alternativas……

  5. Fernando Gonsales disse:

    Economistas e Estatísticos discutindo e montando currículos, já vimos isso em outros lugares!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s