Chile questiona sua “Prova Brasil”

Aplicando algo semelhante à nossa Prova Brasil, ainda que a um número maior de disciplinas, o Chile está questionando sua principal avaliação do ensino básico: o SIMCE. As opiniões são variadas.

Para os críticos a avaliação deveria ser amostral e não censitária. Eles também elencam os efeitos nefastos que a avaliação censitária gerou ao longo de seus 27 anos de aplicação: como sua associação a premiações, pressões sobre as escolas e outras. Aplicada anualmente no 2º., 4º., 6º. e 8º. anos do ensino fundamental e nos 3º. e 4º. anos do ensino médio, há quem defenda que se deva diminuir a sua frequência.

“Quando os resultados são associados a consequências tão severas, a evidência nacional e internacional reporta efeitos não desejados, como estabelecimentos que deixam de ensinar disciplinas que não são medidas, excluem os estudantes com maior desvantagem acadêmica ou em desvantagem sociocultural e se focam somente em um grupo minoritário de estudantes. Isto inflaciona as notas no curto prazo à custa de um empobrecimento da qualidade educativa a médio e longo prazo”, adverte Bernardita Muñoz, psicóloga educacional cuja pesquisa doutoral na Universidade de Bristol (Inglaterra) concentrou-se em medidas para avaliar de maneira mais justa a efetividade dos estabelecimentos secundários no Chile.”

No Brasil, há quem queira que a nossa Prova Brasil passe a ser anual, associada a repasse de recursos etc., na contramão desta argumentação, portanto.

Para os defensores do SINCE atual, há que mantê-la censitária pois é importante influenciar a sala de aula. A argumentação já deixa claro a que serve a avaliação censitária: controlar a sala de aula e o professor.

Em nossa opinião, a avaliação da educação básica no Brasil deveria ser amostral (como aliás já foi no tempo do SAEB no Brasil, quando a ideia não era responsabilizar escolas e professores). A Finlândia não faz avaliação censitária e dizem que vai muito bem. De fato, a avaliação amostral casaria muito melhor com as ideias que tem defendido o atual Ministro da Educação no Brasil.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Links para pesquisas, Responsabilização/accountability. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Chile questiona sua “Prova Brasil”

  1. Sueli disse:

    Para pensar, mais um pouco.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s