Chile: pressão pelo fim da mercantilização

No Chile continuam as pressões para dar marcha a ré na mercantilização que os reformadores empresariais da educação impuseram por mais de 30 anos, sem sucesso, àquele pais. O final de ano esteve agitado com a aprovação no Senado da reforma educacional para restituir a gratuidade no ensino, como informa Carta Maior. As lideranças consideram que as reformas propostas pelo governo ainda não são suficientes para garantir a gratuidade do ensino.

“Nesta terça-feira (22/12), uma marcha no centro de Santiago convocada pela Confech (Confederação dos Estudantes do Chile), expressou seu descontento com a chamada lei expressa para garantir a gratuidade na educação superior e acusaram “improvisação”.

Os estudantes marcharam com a consigna de “nem um peso a mais ao mercado, educação gratuita e de qualidade”, cortando o trânsito na chamada Alameda, a avenida principal do centro da capital, onde se registraram alguns incidentes isolados.”

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s