Quando a democracia atrapalha

“Vivemos esta “espiral descendente” que o filósofo italiano Giorgio Agamben qualificou como “estado de exceção” num livro profético lançado em 2003[1]. Nele, vale a lógica da necessidade (no caso, da necessidade dos ricos) que tem dois sentidos aparentemente opostos : “a necessidade não reconhece nenhuma lei e a necessidade cria sua própria lei” (40). Isso leva a esta situação paradoxal que vivemos no Brasil e foi tipificada por Agamben: “As medidas excepcionais encontram-se na situação paradoxal de medidas jurídicas que não podem ser compreendidas no plano do direito, e o estado de exceção apresenta-se como a forma legal daquilo que não pode ter forma legal” (11/12).”

Leia mais aqui.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais, Meritocracia e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s