Reforma empresarial avança nos países nórdicos

Helena Hinke D. Candido, na Finlândia, nos envia material que mostra como se dá o avanço das ideias da desregulamentação, privatização e mercantilização na educação nos países nórdicos.

Leia em “Deregulation, privatisation and marketisation of Nordic comprehensive education: social changes reflected in schooling“, recém-publicado por Dovemark, M.; Kosunen, S.; Kauko, J.; Magnúsdóttir, B.; Hansen, P. e Rasmussen, P..

Pelo estudo, embora a Finlândia não esteja isenta das influências, nota-se que resiste à onda da reforma empresarial da educação. Em relação à Finlândia, os autores encontram alguma evidência de promoção da “escolha de escola” em cidades, mas a política global ainda mantém a escola pública como a principal fornecedora de educação. Obtenção de lucro e taxas de matrícula são proibidos, não há testes padronizados e nem inspeção nas escolas. Não há também a publicação de padrões de aprendizagem à moda de nossa BNCC.

Resumo do estudo: “Os países nórdicos são muitas vezes percebidos como um grupo coerente que representa o modelo nórdico de estados de bem-estar, com uma forte ênfase no fornecimento público de bem-estar universal e uma forte preocupação com a igualdade social. Mas hoje vemos uma mudança no modelo nórdico como parte de uma economia global do conhecimento. O objetivo deste artigo é examinar a educação nos cinco países nórdicos utilizando três dimensões da mudança política: desregulamentação, comercialização e privatização. Analisamos também as mudanças paralelas em relação à segregação e diferenciação na educação. A análise mostra que os temas relacionados à desregulamentação parecem mostrar padrões e estruturas bastante semelhantes em todos os contextos. As diferenças emergentes foram descobertas principalmente nos temas de mercantilização e privatização. A segregação institucional emerge em todos os países nórdicos em diferentes níveis ao longo das linhas desses três processos, e observamos uma segregação e diferenciação social simultânea em conexão ambígua com eles. Com base nestes achados, a questão do que resta do “modelo nórdico” poderia ser levantada.”

Acesse o estudo aqui.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Links para pesquisas, Meritocracia, Privatização, Responsabilização/accountability, Segregação/exclusão e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s