Uma burrice iliberal

Bolsonaro representa o conservadorismo extremado: seu pessoal acha que pode haver tortura, que não houve golpe de 64, que Mozart é esquerdista, há quem veja Jesus Cristo no pé de goiabeira e até quem queira instituir “bolsa estupro” etc. Tenho pena dos liberais. A filosofia social liberal não merecia passar por isso, tendo que se associar à ignorância.

O desejo de voltar ao poder, levou uma vertente do liberalismo, o liberalismo econômico, que tem sido chamado de neoliberalismo, a juntar-se ao conservadorismo autoritário. O liberalismo econômico não precisava do conservadorismo autoritário para ser autoritário, pois ele é intrinsicamente autoritário, como mostrou Nancy MacLean. Mas ele precisava de votos. Para esta configuração política, a democracia liberal virou um meio e não um fim – e se necessário abre mão dela para implementar o livre mercado. A forma de operar foi denunciada por Fukuyama:

“… líderes populistas nacionalistas usam esse terceiro pilar [eleições livres] para chegar ao poder e, a partir de dentro, corroer os outros dois [um Estado que concentra poder e o utiliza pelo bem dos cidadãos; a igualdade de todos perante a lei]. Ou seja, a legitimidade do processo democrático transforma-se em arma contra a própria democracia.”

A gravidade por aqui é que isso ocorre com o apoio dos próprios liberais.

Estive no Chile em outubro. Lá se temia pela possibilidade de Bolsonaro virar presidente do Brasil. A manchete do jornal “La segunda” estampava: “Alarme liberal contra Bolsonaro“.  Na matéria podia se ler a fala de Lucia Santa Cruz:

“Incomoda-me muito que uma boa política econômica fique em mãos de pessoas que concebem o liberalismo de forma muito limitada. As posições não econômicas de Bolsonaro atentam contra todos os princípios fundamentais do liberalismo” (p. 12).

Entre eles eram arrolados: igualdade ante a lei, respeito, tolerância, democracia, direitos humanos. Eis aí o alerta do liberalismo chileno para a liberalismo brasileiro.

A direita brasileira já está complicada porque colocou em prática um plano golpista o qual começou quando ela perdeu as eleições em 2014, arquitetou o golpe de 2016 e liberou a lava-jato para o “lawfare” que atingiria a todos no momento seguinte e permitiria o crescimento de Bolsonaro. Um belo tiro no pé, pois Bolsonaro derrotou não só a esquerda, mas também a própria direita liberal, colocando o liberalismo econômico autoritário em primeiro plano.

Resta à direita liberal, agora, para sobreviver, empenhar-se para tornar a posição de Bolsonaro em uma posição liberal palatável. Se a direita verdadeiramente liberal for sábia, fica no apoio crítico. A posição é confortável já que os erros serão atribuídos a Bolsonaro, que por sua vez atribuirá as dificuldades à era PT, e os acertos serão capitalizados também pela direita, no momento seguinte, retendo o que lhe convier.

Isso não significa que não existirão “custas a pagar”. A direita terá que fazer uma espécie de “autocrítica” para recuperar os princípios do verdadeiro liberalismo, a menos que faça como parte do Partido Republicano americano tem feito e também traia tais princípios.

Bolsonaro é um conservador autoritário, um oportunista de última hora que, por votos, assumiu ares de liberal. A vitória de Bolsonaro foi construída cercada pela truculência, pela mentira, pela omissão do debate e pelo medo. O liberalismo econômico compactuou com isso. Fechou os olhos para passar suas ideias, repetindo o que fez no Chile na ditadura de Pinochet – afinal o que conta é o livre mercado. Com isso, corrompeu o próprio liberalismo.

O conservadorismo populista de Bolsonaro foi usado pela direita liberal para assustar a classe média anti-petista e catalisar o ódio. Passadas as eleições, isso já não tem a mesma importância, ainda que sempre voltará a cada crise do governo com a retórica intimidadora de que “o PT vai voltar“. O liberalismo vai tentar controlar o conservadorismo – ainda que não necessariamente o autoritarismo social embutido nas suas propostas econômicas. O governo Bolsonaro promete muitas contradições.

No caso da educação, a primeira tentativa da centro direita liberal foi colocar Mozart no Ministério da Educação. Mas apesar da batalha na educação ter sido perdida para o conservadorismo de Velez Rodriguez, a guerra continuará (veja aqui).

Para a centro-direita liberal é perda de tempo lidar com questões postas pelo “escola sem partido”, por exemplo. Segundo o Jornal Estadão – porta voz do liberalismo -, o novo governo deveria se preocupar com o seguinte: 1) Os alunos precisam melhorar no PISA; 2) O ensino (fundamental e médio) está em más condições?; 3) É preciso adaptar o ensino “às condições impostas (sim, impostas) pela chamada revolução 4.0”; 4) Os professores devem ser preparados para formar alunos capazes de “atuar com sucesso na economia do século 21”; e 5) É preciso verificar como as “experiências bem-sucedidas no exterior poderiam proporcionar elementos a um programa de modernização educacional”.

Leia aqui.

Este é o programa da centro-direita para a educação e que implica em transformar a posição de Bolsonaro em uma direita palatável onde o peso do movimento “escola sem partido” seja diluído e se coloque como objetivo a reforma empresarial da educação (com vouchers e escolas charters, como pede o PSL).

A educação vai ser colocada a serviço do liberalismo econômico de Paulo Guedes. Por este caminho, ela será posta na trilha da privatização e como tal, deixará de ser um risco do ponto de vista ideológico, já que estará sob comando dos empresários da educação. Quem precisará do Escola sem Partido?

Para a direita o que importa é a economia e Paulo Guedes é a sua ancoragem, não devendo ser atrapalhado com bravatas do conservadorismo autoritário (leia aqui posição de ACM Neto, presidente do Partido DEM).

No entanto, como alerta o liberalismo chileno, ao se identificar com Bolsonaro, a direita liberal está contribuindo para a deturpação de todos os princípios fundamentais do liberalismo e, com isso, podemos agregar, ajudará na consolidação das posições de esquerda. De quebra, contribuirá para agravar a já combalida democracia liberal que ela mesma ajudou a criar.

É o tipo de posicionamento burro que se constituirá no futuro em um novo tiro no pé. Nós da esquerda, devemos agradecer aos “iliberais”. Bolsonaro fragiliza o próprio liberalismo. A mensagem que passa é de descrédito até mesmo para com uma limitada e incompleta democracia liberal – não há melhor propaganda para a esquerda.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Escolas Charters, Responsabilização/accountability, Vouchers e marcado , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Uma burrice iliberal

  1. M. Estela Sigrist Betini disse:

    “A vitória de Bolsonaro foi construída cercada pela truculência, pela mentira, pela omissão do debate e pelo medo”, acrescentaria, pela utilização do sentimento religioso do povo, de modo especial.

Deixe uma resposta para M. Estela Sigrist Betini Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s