Accountability: velando o morto

Relatórios falhos insistem que sistemas de responsabilização ineficazes devem continuar a ser aplicados, mesmo com o caos da pandemia. O National Education Policy Center – NEPC – publica análise crítica do relatório da Bellwether Education Partners.

“BOULDER, CO (15 de outubro de 2020) – Um relatório em quatro partes sobre responsabilização (accountability) da Bellwether Education Partners explora os sistemas de responsabilização escolar de vários ângulos diferentes: suas raízes históricas, sua teoria de mudança e seu impacto nos resultados dos alunos, bem como o efeito do fechamento de escolas relacionadas ao COVID sobre os testes e a responsabilização.

Essas publicações, intituladas em seu conjunto,”Making Next Year Count: Equity in School Accountability”, foram revisadas pelo professor Edward J. Fuller, da Penn State University, que as considerou problemáticas por uma série de razões.

A série conclui corretamente que os sistemas de responsabilização estadual não melhoraram o desempenho dos alunos nem eliminaram as lacunas de desempenho na última década. Apesar dessa conclusão, no entanto, a série insiste intrigantemente que os sistemas de teste e responsabilização estaduais devem ser reinstaurados em 2020-21 e devem se concentrar nas escolas com os níveis de desempenho mais baixos.

O professor Fuller apontou que subjacente a esta conclusão está a falha dos relatórios em revisar adequadamente a literatura existente. Como resultado, os relatórios exageram algumas conclusões de pesquisa e ignoram um grande corpo de pesquisas sobre fatores que influenciam os resultados dos alunos. Especificamente, os relatórios não reconhecem a necessidade crítica de acesso a educadores bem formados e a recursos fiscais, que são fundamentais para qualquer esforço sério para melhorar os resultados dos alunos. Além disso, os relatórios se concentram muito estreitamente nas pontuações dos testes como o resultado principal da escolaridade e ignoram resultados como pensamento crítico, alfabetização para a mídia e educação para a cidadania, que são mais importantes do que nunca.

Por essas razões, conclui o professor Fuller, os formuladores de políticas são aconselhados a ignorar esta série e acessar análises e recomendações mais diferenciadas com relação à responsabilização escolar nos próximos anos.”

Acesse a crítica, de Edward J. Fuller, aqui.

Acesse a página de visão geral da série, Making Next Year Count: Equity in School Accountability, escrita por Alex Spurrier, Chad Aldeman, Jennifer O’Neal Schiess e Andrew J. Rotherham e publicada pela Bellwether Education Partners aqui.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Escolas Charters, Links para pesquisas, Meritocracia, Privatização, Responsabilização/accountability, Vouchers e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s