Ensino médio é entregue ao Banco Mundial

O Banco Mundial está financiando a implantação da reforma do ensino médio brasileiro. Como é sabido, o dinheiro não vem só, mas acompanhado de “orientações” a serem implementadas pelo Brasil. Tais orientações, estão expressas nos documentos sobre educação do Banco Mundial. Segundo reportagem da EPSJV/Fiocruz:

“Não à toa, o Banco defendeu em outro documento, intitulado ‘Um Ajuste Justo – Análise da Eficiência e Equidade do Gasto Público no Brasil’, de 2017, que o país deveria reduzir seu investimento em educação – e também o número de professores.

“Uma análise de eficiência intermunicipal demonstra que o desempenho atual dos serviços de educação poderia ser mantido com 37% menos recursos no ensino fundamental e 47% menos recursos no ensino médio. Isso corresponde a uma economia de aproximadamente 1% do PIB. […] O aumento do número de alunos por professor em 33% no ensino fundamental e 41% no ensino médio economizaria R$ 22 bilhões (0,3% do PIB) por ano. Isso poderia ser realizado simplesmente ao permitir o declínio natural do número de professores, sem substituir todos os profissionais que se aposentarem no futuro”, diz o documento.

Para a professora-pesquisadora da EPSJV/Fiocruz, essas concepções estão totalmente alinhadas à lógica da reforma do ensino médio. “A redução do horizonte de conteúdo proposta pela reforma já aponta claramente nessa direção. Há uma ênfase em determinados conteúdos numa perspectiva instrumental, enquanto disciplinas que historicamente fizeram parte do ensino médio, que tendiam a apresentar para a juventude um olhar sobre o mundo mais amplo, mais integral, mais completo, tendem progressivamente a desaparecer. Não é à toa que filosofia, história e sociologia são disciplinas que vão sendo reduzidas, retiradas do caráter obrigatório que elas tinham. Isso empobrece a compreensão de mundo que o jovem passa a ter sobre a sociedade”, alerta.”

Leia aqui a análise.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Estreitamento Curricular, Links para pesquisas, MEC sob Bolsonaro, Pastor Milton no MEC, Privatização, Responsabilização/accountability e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s