Rothstein destrói as teses dos reformadores

Postado originalmente na Uol em 2/09/2011

Em uma revisão do livro de Steven Brill (Luta de Classe: por dentro da luta para consertar as escolas da América. NY: Simon & Schuster, 2011), do mesmo autor do documentário Waiting for Superman que circula nas redes de ensino do Brasil fazendo propaganda das teses dos reformadores empresariais da educação, Rothstein destrói as receitas comumente divulgadas pelos reformadores na mídia (valendo para o Brasil). Queixa-se, com razão, das afirmações vazias e sem dados dos reformadores, o que os torna mais “cruzados” do que cientistas.

Richard Rothstein é pesquisador associado do Instituto de Política Económica – USA. De 1999 a 2002 ele foi o colunista de educação nacional do The New York Times. Ele é o autor de Grading Education: Getting Accountability Right (Teachers College Press and EPI, 2008), e Class and Schools: Using Social, Economic and Educational Reform to Close the Black-White Achievement Gap (Teachers College Press 2004). Ele também é autor de The Way We Were? Myths and Realities of America’s Student Achievement (1998). Outros livros recentes incluem The Charter School Dust-Up: Examining the Evidence on Enrollment and Achievement (co-authored in 2005);e All Else Equal. Are Public and Private Schools Different? (co-authored in 2003).

Como o livro de Brill certamente chegará por aqui, a exemplo de Waiting for Superman, é bom estar informado antes.

Avaliando os Reformadores da Educação:

Steven Brill torna a viagem muito fácil para eles

Richard Rothstein

Instituto de Política Econômica

Se você viu o documentário Esperando pelo “super homem”, um conto de Steven Brill, Luta de Classe (Class Warfare) será familiar. O fundador da Court TV oferece outra polêmica contra os sindicatos de professores e um hino aos auto-intitulados “reformadores da educação.” Mas, mesmo para aqueles que acompanham a política da educação, ele oferece uma leitura de abrir os olhos e que não deve ser desperdiçada. Onde o filme evoca vítimas valentes travando uma batalha árdua contra um gigante ossificado, o livro de Brill expõe vivamente o que os críticos dos reformadores já suspeitavam mas nunca antes puderam provar: o quão estreitos, coordenados, bem relacionados e bem financiados são os reformadores.

Luta de Classe revela os seus francos esforços para suprimir qualquer evidência que possa contestar a sua missão de minar a estima que a maioria dos americanos têm pelas suas escolas públicas e professores. Agora estes cruzados são a autoridade, tão arrogantes como os que os precederam. Os heróis de Brill compõem uma galeria de alto perfil. Eles são críticos das escolas públicas como Joel Klein e Michelle Rhee ex-secretários de educação de Nova York e Washington, D. C. Eles também incluem operadores de Escolas Charter [administradores de escolas públicas por contrato de gestão] como David Levin (KIPP) e Eva Moskowitz (Harlem Success Academies), como também recrutadores alternativos de professores e diretores como Wendy Kopp (Teach for America) e Jon Schnur (New Leaders for New Schools).

Continue lendo em (inglês):

 http://nepc.colorado.edu/education-review

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais, Links para pesquisas, Postagens antigas da UOL, Responsabilização/accountability e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s