A pobreza conta nos resultados da escola?

Diane Ravitch analisa as diferenças de desempenho entre ricos e pobres no teste SAT, o ENEM dos americanos. No Brasil estudo mostra a dependência dos resultados do ENEM brasileiro de variáveis externas à escola. Diane aponta a diferença no SAT americano:

Quantas vezes você já ouviu pessoas como Bill Gates, Arne Duncan, Joel Klein (lembra dele?) e outros chamados reformadores dizerem que a pobreza não importa, que a pobreza é uma desculpa para o mau ensino?

Eu sempre acreditei que a pobreza impõe encargos tremendos sobre os alunos e suas famílias: fome, falta de moradia, falta de atendimento médico, doença etc.

A melhor prova da diferença que a pobreza faz é o SAT. As crianças mais pobres têm as pontuações mais baixas, os mais ricos têm a maior. A diferença de baixo para cima é cerca de 400 pontos. Para ser exato, é de 398 pontos.

O que o SAT mede? A renda familiar e a educação da família.

 A constatação vem depois de mais de 20 anos de políticas baseadas nas receitas dos reformadores empresariais da educação, as mesmas que agora querem nos fazer crer que são a salvação da educação brasileira.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais, Links para pesquisas, Segregação/exclusão. Bookmark o link permanente.

2 respostas para A pobreza conta nos resultados da escola?

  1. M. Estela Sigrist Betini disse:

    É exatamente isso que se observa de dentro da escola. A pobreza não impede de aprender pela situação pessoal, mas pelas circunstâncias que cercam as crianças que vivem a miséria. São pequenos detalhes que fazem enorme diferença: faltam para ficar com o bebe da família, todos saem para trabalhar; saem de casa a procura do que comer e não fazem a tarefa de casa; procuram na rua como ganhar dinheiro para si ou para a família; se alguém é alcóolatra não vão a escola por medo de quem fica apanhar; e sem dúvida ficam doentes mais amiúde. Quando essas circunstancias são superadas eles aprendem tanto quanto qualquer outra criança, o que não é fácil a escola sozinha superar a situação. Por essa razão apoio a Bolsa Família, é uma política que traz pelo menos em um aspecto maior possibilidade da criança estar na escola. Os dados mostram que elas passam a frequentar mais a escola e com melhor desempenho. Interessante (não tenho dados de pesquisa, mas falo de minha experiência) essas criança sempre foram em classe as que mais se interessavam pelos conhecimentos, muito curiosas e menos pelo trabalho com as habilidades. A pensar.

  2. Suelen Batista disse:

    Por mais que os testes padronizados tentem aumentar seus índices com base apenas no desempenho, é inegável o papel que as condições sociais assumem no aprendizado.
    Muito interessante pesquisas sobre o assunto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s