Todos pela Educação: incoerência empresarial

Há algum tempo divulguei um estudo de Matthew di Carlo que mostrava, resumidamente, que até 60% dos fatores que explicavam a nota dos estudantes estava fora da escola e apenas 20% se deviam a fatores intra-escolares.

Um estudo divulgado pelo site do Todos pela Educação, com o ENEM, chega a resultados parecidos no Brasil:

“Grande parte (79%) do desempenho de uma escola no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é explicada por fatores exteriores a ela, como o nível socioeconômico das famílias dos alunos, a cor da pele dos estudantes, a dependência administrativa e o Estado em que está localizada, entre outros. O chamado efeito escola responde, portanto, por apenas 21% da média da unidade.”

A conclusão é da pesquisa de doutorado do professor Rodrigo Travitzki, realizada na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP).

“A maior contribuição da pesquisa, segundo o autor, é mostrar o que de fato os rankings com dados do Enem revelam e os efeitos que podem gerar. “De certa forma, confirmei com a estatística o que muitos já imaginavam: o ranking informa mais sobre as condições socioeconômicas da escola do que sobre seu possível mérito pedagógico”, sintetiza Travitzki.”

Ver vídeo aqui.

Pois é. Sabemos que é assim, mas quem controla os efeitos do que medimos? Quem controla os governos? E as empresas de assessoria? No dia a dia, a política educacional continua centrando a culpa no professor. Se os estudos – daqui e dos Estados Unidos – revelam a importância do nível sócio-econômico, que tal os empresários pararem de gerar pobreza pagando salários baixos, ao invés de criar Fundações para depois doar dinheiro e deduzir do Imposto de Renda que deveriam pagar?

Soa um tanto irônico.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Links para pesquisas, Segregação/exclusão e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para Todos pela Educação: incoerência empresarial

  1. Luana disse:

    Bom dia, Professor!
    Encontrei mais um vídeo sobre a importância do nível sócio-econômico: http://univesptv.cmais.com.br/pedagogia-unesp/d-29-avaliacao-educacional-e-escolar/avaliacao-e-responsabilidade-cultural

    Selecionei esse vídeo para utilizá-lo nas reuniões com os professores. Além da culpabilização do professor, vivemos uma tendência, já alertada pelo senhor, da medicalização das crianças. Tudo é motivo de realizar encaminhamentos para médicos e psicólogos. Dessa forma, penso que, também no interior das escolas, o debate sobre a questão sócio-econômica precisa ser aprofundado. Quando comentei sobre isso na última reunião, muitos disseram desconhecer tal informação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s