Ainda a relação educação-produtividade

Samuel Pessoa volta ao tema da produtividade na Folha de São Paulo de 08-02-2015, domingo passado. A volta se dá em termos muito mais cautelosos do que costumeiramente o fez no passado. Há um ano eu o criticava dizendo:

“Samuel Pessoa afirma, por exemplo, que atualmente o desempenho dos estudantes medidos em testes padronizados são o melhor preditor de aumento de produtividade – diz ele: “… a variável importante para determinar a relação entre crescimento econômico e educação não é a quantidade de educação (escolaridade média) mas, sim, a qualidade, medida pelo desempenho de estudantes em provas padronizadas”.”

Aqui há duas afirmações: uma, refere-se à dependência do aumento da produtividade econômica que ficaria na dependência do desenvolvimento da qualidade da educação. E outra, a possibilidade de medir a qualidade da educação através de resultados em testes.

Em relação à primeira, deve-se dizer que os reformadores empresariais tendem a culpar a educação pela baixa produtividade das nações em suas narrativas minimizando os demais fatores que afetam a mesma. Mas há um exemplo clássico de que as coisas não são assim: chama-se Estados Unidos. Como já publicamos aqui, os resultados dos testes padronizados (nacionais e internacionais) dos estudantes americanos não têm nada a ver com a evolução dos índices de produtividade nacional daquele pais.

Na sua nova incursão pelo tema, Samuel afirma que há uma produtividade sistêmica e uma individual e conclui, após admitir que a educação é um fator individual, que ela opera no conjunto dos fatores sistêmicos que produzem a produtividade. Diz: “De qualquer forma, há evidência contundente de que a qualidade da educação importa.” OK. Isso é bem mais razoável de se admitir. Como diz Samuel atualmente:

“A produtividade do trabalho depende de inúmeros fatores. Alguns deles – por exemplo, a educação – são específicos aos indivíduos. Outros são sistêmicos”.

Nisso chegamos a um acordo. Em relação à segunda questão, no entanto, continuamos dizendo que qualidade da educação não é equivalente a resultados de estudantes em testes padronizados, como pensa Samuel. Simplesmente porque média alta em testes (e em apenas duas disciplinas da escola) não é sinônimo de boa educação e a própria economia necessita de outras habilidades não medidas em testes para impulsionar a inovação e a criatividade tecnológica e econômica.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais, Responsabilização/accountability e marcado . Guardar link permanente.

4 respostas para Ainda a relação educação-produtividade

  1. Andre Luis disse:

    Bom artigo! Concordo com seus comentários!
    Sem considerar os outros fatores sistêmicos, li artigos que afirmam que existem estudos que dizem que o maior impacto no desempenho acadêmico e profissional viria justamente das inteligências socioemocionais do aluno / profissional, e muito menos do seu nível de QI, que poderia inclusive não ser refletido nos testes padronizados.
    Faz sentido isso para o senhor?

    • Concordo em que há vida inteligente para além do que os testes padronizados conseguem medir. Não sei se os chamaria de inteligência socioemocional. Enfim, prefiro o termo de Levin “habilidades pessoais e interpessoais”. Abraço.

  2. Jucirley Cardoso de Jesus disse:

    Olá Professor!
    Em minha dissertação de mestrado abordei a questão dos indicadores gerados pelos sistemas de avaliação externa como único indicador de qualidade e também cheguei a esta conclusão.
    Também usei como referência um artigo no qual o senhor aborda o termo “qualidade negociada” de Ana Bondioli e faz algumas propostas de trabalho considerando esse conceito de qualidade. Há algum texto recente em que o senhor faz essa abordagem? Ainda compartilha das mesma opinião? Gostaria de ler algo mais sobre isso…

    Abraços

    Jucirley

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s