MEC anuncia certificação para diretores

O pessoal está estudando a Austrália em um Seminário Internacional sobre gestão escolar promovido pelo Instituto Unibanco e Folha de São Paulo. Tem também a experiência da província de Ontário que foi “escolhida” no Canadá e tem, como não podia deixar de ser, a Inglaterra da Tatcher com suas “escolas livres” – privatização.

Quem acham que enganam, querendo alardear sucessos educacionais na Austrália? Será que o PISA só vale para mostrar que no Brasil estamos na rabeira? Alguém se deu ao trabalho de ver o desempenho da Austrália no PISA? Aqui vai um estudo que mostra como anda o sucesso australiano.

“A Austrália continua a ter altos resultados médios, mas houve quedas significativas em leitura e matemática. A grande parte do declínio na leitura ocorreu entre 2000 e 2006; desde então, a pontuação média tem se mantido estável. Houve uma queda muito significativa na pontuação média em matemática desde 2003, o que equivale a cerca de metade de um ano letivo. Houve um pequeno declínio na ciência entre 2006 e 2012, todas as quais ocorreram entre 2009 e 2012. Houve uma pequena queda na leitura entre 2009 e 2012.”

É suficiente para se ter uma ideia geral.

O estudo também diz que:

“A Austrália esteve mais de meio ano escolar à frente da OCDE em leitura, matemática e ciência em 2000, 2003 e 2006, respectivamente. Em 2012 a vantagem em leitura e matemática diminuiu para menos de metade de um ano escolar.”

“Os grandes declínios em leitura e matemática ocorreram em todos os estados e territórios, exceto Victoria”.

Para que tudo isso em um Seminário Internacional promovido por banqueiros com a participação do MEC? Para criar uma cortina de fumaça e “justificar” aquilo que interessa: privatização, certificação e tudo o mais que já se falou por aqui. Não se trata de ciência. Trata-se de interesses. Portanto, o PISA, neste caso, não conta.

Vem aí Certificação para Diretores, anunciado durante o próprio Seminário.

O MEC (Ministério da Educação) planeja criar um processo de certificação federal de diretores de escolas públicas brasileiras em 2016. A medida foi divulgada pelo secretário de educação básica do MEC, Manuel Palacios, nesta quarta-feira (2) durante o seminário internacional Caminho para a qualidade da educação pública: Gestão Escolar, promovido pelo Instituto Unibanco e correalizado pela Folha, em São Paulo.”

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Escolas Charters, Janine no Ministério, Meritocracia, Patria Educadora, Privatização, Responsabilização/accountability. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s