Época: desinformação em três atos – final

Continuação de post anterior.

E como a Revista Época apresenta o estudo de John Hattie:

“Esqueça os computadores e tablets, os laboratórios bem equipados, o nível socioeconômico do aluno, mais horas de aula e métodos inovadores de ensino. Nada, absolutamente nada, é mais importante para o desenvolvimento de uma criança – e consequentemente na vida profissional de um adulto – do que ter um bom professor.”

Eis aí a simplificação da simplificação e a adequação da pesquisa à estreita visão educacional de Época. Esta é a conclusão: o centro da escola é o professor e se algo não vai bem, é porque ele não está bem treinado para dar aulas. Certamente, deveria estar usando as técnicas prescritas por Hattie, se os nossos professores fossem de fato bem treinados.

E as suposições fantásticas continuam sendo feitas por Época:

“A análise de Hattie mostra que, nos Estados Unidos, a diferença de desempenho entre os alunos brancos e negros (de até 25%) desapareceria em oito anos se os negros tivessem aulas com professores classificados entre os 20% mais preparados”.

Em 25 anos de reforma empresarial na educação, o gap de aprendizagem entre ricos e pobres americanos só aumentou. Infelizmente, fazer especulações em planilhas prospectivas brincando com dados estatísticos e sem ter que comprová-las, é bem mais fácil do que entrar em uma sala de aula todos os dias e ensinar alunos de carne e osso, bastante diferentes daqueles listados nas planilhas de simulação. Mestre Hanushek, o mago da econometria, tem prescrições melhores ainda que estas – demitir os professores menos qualificados e substituí-los por mais qualificados. É mais rápido e mais barato do que a solução de Hattie.

Ou seja, os reformadores vivem buscando a bala de prata que poderá resolver seu problema crucial: o que fazer com a pobreza quando ela chega na escola, sem examinar a sua origem. Mas, como se pode ver nas tabelas de Hattie, ele mesmo calcula o  valor do nível socioeconômico do aluno em 0.54 e do ambiente familiar em 0.52.

Se a revista Época acredita, realmente no estudo de Hattie, então ela deveria recomendar a Goiás que parasse imediatamente com a privatização da educação naquele estado através do modelo de escolas charters, pois o estudo de Hattie mostra que o impacto deste modelo de privatização não passa de míseros 0.20. Mas, sobre isso, Época silencia.

Entre tantos problemas, note-se ainda que ao mesmo tempo em que a redução do tamanho da turma na tabela de Hattie é apresentado isoladamente com um valor modesto de 0.43, sugerindo que pelo seu custo-benefício não fosse usado como estratégia de política pública, Hattie recomenda o uso de ações em sala de aula que necessariamente só poderiam ser conduzidas efetivamente pelo professor se ele tivesse turmas menores (ex. dar feedback aos alunos – 0,73 – e avaliação formativa – 0,90). Sem falar da influência do desempenho prévio obtido pela criança que tem valor de 0,63. Este é o problema de se separar artificialmente variáveis que não são separáveis no interior da escola.

Todas estas ações valorizadas por Hattie, demandam intensa interação professor-aluno que só podem ser viabilizadas com turmas menores. Estas são razões, então, para quem acredita nestes números, começar a defender uma política de redução do número de alunos em sala de aula e não uma política de culpabilização do professor. Ou seja, é melhor Época esquecer que fez esta reportagem, antes que o feitiço vire contra o feiticeiro…

Finalmente, Snook et al. (2009), analisa criticamente as teorias de Hattie e delineia uma série de preocupações derivadas do livro. Uma crítica importante refere-se à qualidade da investigação utilizada na síntese da sua pesquisa (meta análise). Diz:

“Qualquer análise que não exclua os estudos deficientes ou inadequados é enganosa, e potencialmente prejudicial pela possibilidade que tem de orientar políticas de forma equivocada “(p.94).

Além disso, outros autores consideram que as meta-análises terminam por excluir os estudos qualitativos e aqueles que não são oficialmente publicados em revistas, como relatórios. Com isso, restringem-se a estudos quantitativos que isolam variáveis, quando em educação tais variáveis estão todas em interação no interior das escolas e das salas de aulas.

A pesquisa de Hattie tem outros problemas técnicos. Mas como a questão se coloca também no campo de modelos matemáticos, tenho que me socorrer de pessoal graduado na matéria e deixar que eles falem.

Logo depois que John Hattie publicou seu livro em 2008 (Visible Learning), as críticas começaram. Há problemas com a escolha dos métodos da análise estatística e o leitor pode achar este debate aqui e aqui, ou ainda aqui e aqui.

Vale aqui a máxima de Carl Sagan: “Afirmações extraordinárias, exigem evidências extraordinárias”. E apesar das afirmações de John Hattie serem extraordinárias, elas não estão acompanhadas de evidências igualmente extraordinárias. A política pública está obrigada a vê-las, então, com cautela.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Avaliação de professores, Links para pesquisas, Meritocracia. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Época: desinformação em três atos – final

  1. Paulo disse:

    A época exagerou nessa do “Nada, absolutamente nada, é mais importante para o desenvolvimento de uma criança…do que ter um bom professor.” Acho que até para o senso comum é difícil aceitar.

  2. Paulo André Melo disse:

    A crítica parece até livro do Erik Von Daniken, muitas perguntas e críticas, mas nenhuma resposta. Não, o senso comum e a obviedade do dia-a-dia de quem vive essa realidade e se insurge contra ela, os verdadeiros revolucionários como meu colega o professor Felipe Lins, sabe realmente o valor dos professores que acabam por se qualificar e, nada, absolutamente nada, até hoje foi melhor que isso.
    Outra realidade tão simples e que parece denegrida pela análise da matéria é que as faculdades não formam professores, NÃO formam. Além dos bancos universitários do país afora possuírem uma produção intelectual próximo da mediocridade, sua capacidade de formar professores é próxima de zero. Tudo tem que ser ensinado por quem pesquisou, trabalhou e validou em sala, em um processo que, obviamente, deveria ser substituído pelos bancos acadêmicos.
    Professores mal formados resultam em educação medíocre e o pior de tudo, opiniões medíocres … uma pena…

    • Pois é Paulo, por enquanto o sua resposta está baseada em opinião. Eu pelo menos me dei ao trabalho de olhar a produção da pesquisa sobre a questão. Você usa para contrapor somente suas opiniões. Lamento. Opinião por opinião, ainda fico com a minha. Quando tiver algo mais objetivo, apresente. Obrigado. Luiz Carlos.

Deixe uma resposta para Paulo André Melo Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s