Nick Hanauer: autocrítica de um bilionário filantropo

Diane Ravitch divulga artigo de um bilionário, Nick Hanauer, defensor de escolas charters, no qual ele faz uma autocrítica e explica o equívoco de se achar que consertando as escolas públicas, resolve-se o problema da desigualdade social.

Depois de acreditar nesta ideia e atuar por ela com milhões de dólares colocados na filantropia destinada a financiar escolas charters, ele reconhece que a pobreza e a desigualdade não desaparecerão apenas com melhores escolas, mas será necessário que os mais ricos “recebam menos” e ataquem a desigualdade econômica no andar de baixo.

Ou seja, melhores escolas sem simultaneamente melhorar a distribuição de renda familiar, esperando que mais educação diminua a desigualdade econômica, somente serve aos propósitos da própria elite: acumular mais com a mesma estrutura distributiva, atualizando a força de trabalho para que ela atenda às exigências dos novos padrões de acumulação tecnológicos. Eis o segredo da reforma empresarial da educação revelado por quem está dentro do 1% mais rico.

Ele escreve:

“Ao todo, dediquei incontáveis ​​horas e milhões de dólares à simples ideia de que, se melhorássemos nossas escolas – se modernizássemos nossos currículos e nossos métodos de ensino, aumentássemos substancialmente o financiamento escolar, erradicássemos maus professores e abríssemos escolas charters suficientes – as crianças, especialmente aquelas em comunidades de baixa renda e classe trabalhadora, voltariam a aprender. As taxas de graduação e os salários aumentariam, a pobreza e a desigualdade diminuiriam e o compromisso público com a democracia seria restaurado.

Mas depois de décadas organizando e doando à causa, cheguei à desconfortável conclusão de que estava errado. E eu odeio estar errado.

O que eu percebi, décadas depois, é que esta visão é tragicamente equivocada. Os trabalhadores americanos estão debatendo-se, em grande parte, porque são mal pagos – e são mal pagos porque 40 anos de políticas fraudulentas fraudaram a economia em favor de pessoas ricas como eu. Os americanos são mais altamente educados do que nunca, mas apesar disso, e apesar do baixo desemprego recorde, a maioria dos trabalhadores americanos – em todos os níveis de escolaridade – tem visto pouco ou nenhum crescimento salarial desde 2000.

Para ser claro: devemos fazer tudo o que pudermos para melhorar nossas escolas públicas. Mas nosso sistema educacional não pode compensar as formas como nosso sistema econômico está falhando com os americanos. Mesmo o programa de reforma escolar mais ponderado e bem intencionado não pode melhorar os resultados educacionais se ignorar o maior impulsionador do desempenho dos alunos: a renda familiar.”

E finaliza:

“Esta visão “educacionista” atrai os ricos e poderosos porque fala o que nós queremos ouvir: que podemos ajudar a restaurar a prosperidade compartilhada sem compartilhar nossa riqueza ou poder. Como Anand Giridharadas explica em seu livro Winners Take All: The Elite Charade of Changing the World, narrativas como essa fazem os ricos se sentir bem consigo mesmo. Ao se desviar das verdadeiras causas da desigualdade econômica, eles também defendem o “status quo” grosseiramente desigual da América.

Nós confundimos um sintoma – desigualdade educacional – com a doença subjacente: desigualdade econômica. A escolaridade pode aumentar as perspectivas de trabalhadores individuais, mas não altera o problema central, ou seja, que os 90% de baixo estão dividindo uma parcela cada vez menor da riqueza nacional. Consertar esse problema exigirá que as pessoas ricas não apenas ofereçam mais, mas recebam menos.”

Leia o artigo completo aqui.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Escolas Charters, Meritocracia, Responsabilização/accountability, Segregação/exclusão, Vouchers e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Nick Hanauer: autocrítica de um bilionário filantropo

  1. Thiago disse:

    Artigo interessante. É o tipo de coisa que qualquer professor percebe na primeira semana em que começa a trabalhar numa escola pública. Mas notei que em nenhum momento ele diz que as escolas charters são um erro… enfim…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s