ENEM: a “delação premiada” dos dados da Folha

A Folha de São Paulo continua com sua propaganda enganosa para desmontar o ensino público no Brasil. Em editorial anterior ela já defendeu transferir escolas públicas para gestão privada e isso implica em desmoralizar previamente a educação pública. Esta é a lógica. Com este pano de fundo, cada certo tempo a Folha submete dados obtidos do INEP a tortura para tentar obter alguma “delação premiada” que possa utilizar contra o ensino público.

Leia a Folha aqui.

A única medida que ela passou a adotar, desde que começou o ataque à escola pública, foi incluir o nível sócio-econômico no “estudo”. Mas não discute o fato de que as escolas da elite têm um nível sócio-econômico mais alto e as que não estão lá, um nível mais baixo. Isso vira um detalhe e passa a ser valor, seletivamente, o fato de 1 em cada 10  escolas públicas estar na elite do ENEM. O que a Folha deseja marcar é que as escolas públicas não têm qualidade para estar no rank da elite, pois as privadas são melhores. Ora não é isso que os dados do IDEB dizem sobre as escolas privadas: elas não estão conseguindo atingir as metas fixadas para o IDEB. O ensino privado brasileiro não é bom.

Mas isso não tem sentido, pois não há amostragem segura dos alunos de cada escola que permita tais ilações sobre a posição das escolas no ENEM. Foi exatamente por isso que o INEP parou de divulgar nota por escola.

Ora, os alunos que fazem o ENEM o fazem por iniciativa própria (claro, tem o pessoal dos cursinhos e escolas particulares que separa os alunos melhores e estimula fazer o ENEM para depois dizer que são elite), portanto não há uma amostragem válida para se poder falar de uma escola específica. Basta ter mais de 10 alunos no ENEM e isso ser correspondente a 50% da escola para que se considere que é uma amostra válida. Nada disso é suficiente, pois não há garantia de que alunos de diferentes estratos que compõem cada escola estejam representados no exame.

Veja-se, por exemplo, que no caso do IDEB, o cálculo exige, pelo PNE, 85% dos alunos presentes na prova. Nos Estados Unidos, exige-se 95%. Note-se que este critério que a folha diz seguir “utilizando critérios anteriores do MEC” é uma desonestidade, pois o INEP parou de calcular exatamente porque tais critérios não eram suficientes.

Mas em estatística tudo é possível se você vai mantendo ou tirando critérios segundo as conveniências e apelando para a “tortura dos dados”, a mandrakaria e os famosos “ajustes”.

O INEP parou de divulgar os cálculos por escola por dois motivos: primeiro, o oficial, é que não têm validade, exatamente pelo que foi dito acima. Segundo, e este eu agrego, porque é cômodo: deixe-se a imprensa fazer o ranqueamento e o INEP passa ileso, atingindo o mesmo resultado.

A Folha de São Paulo apela para o privatista Reynaldo Fernandes para justificar o cálculo:

“O MEC parou de divulgar o Enem por escola sob o argumento de que os dados não são adequados para avaliar as unidades. O professor da USP Reynaldo Fernandes, um dos formuladores do formato atual do Enem, discorda.

“Posso não ter ideia do que acontece na escola, mas, com a pontuação, podemos comparar escolas próximas, parecidas em termos socioeconômicos. E o Enem ainda vai além de português e matemática [o que as avaliações federais e estaduais não fazem], e tem ensino particular”, diz.”

Ocorre que o “estudo” da Folha fala exatamente sobre o que acontece na escola. São as escolas que estão em questão. Portanto, tal justificativa, longe de justificar, ela tem efeito contrário e por si mesma, afasta a possibilidade do cálculo ser válido para esta finalidade. Diz a Folha que acima de 569,7 (o detalhe é a precisão dos décimos) temos uma elite. Note-se a precisão, que contrasta claramente com a ideia de “proximidade” posta por Reynaldo e que vira instrumento para decretar, com precisão, que uma escola é de elite ou para dizer que abaixo de 464,0 estão as piores.

Ou seja, na hora de justificar o estudo, ele é uma “aproximação pelo NSE”, mas na hora de julgar as escolas, ele ganha uma precisão infalível… Isso é mais ou menos como vazamento de “delação premiada” que depois de divulgado, não importando se é ou não, vira verdade. Não é ético, nem científico. E isso tudo somente com as médias das notas de provas, sem nenhum outro dado sobre as escolas. Cômodo, não?

A Folha costuma mandar torturar os números para que eles revelem o que lhe interessa. Mas, para os propósitos que usa, não passam de “fake Science”, ou melhor ainda, “junk Science” – lixo.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Enem, Privatização, Responsabilização/accountability e marcado , . Guardar link permanente.

2 respostas para ENEM: a “delação premiada” dos dados da Folha

  1. Não seria facil corrigir pelo vies de seleção, usando dados do censo?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s