Não é ignorância, é o “mercado”…

Editorial da Folha, com seu tradicional privatismo, reflete sobre a questão da formação dos médicos. Sempre usando a “liberdade de imprensa” a favor do “mercado”, ou seja, a favor do 1% que fatura e cresce diariamente, ela conclui:

“Já o quesito das deficiências na formação pode resolver-se mais facilmente, sem intervenções sobre o funcionamento do mercado [ou seja sem regular a abertura de novos cursos de medicina]: basta tornar o exame de proficiência obrigatório para emissão do diploma. Os alunos e seus pais saberão evitar o investimento de seis anos de estudos em escolas com baixos índices de aprovação.”

Leia mais aqui.

Simples de tudo. Tão simples e fácil que se torna simplista e errado. No entanto, isso não deve ser atribuído a uma ignorância dos editores da Folha. Na verdade, esta é a lógica do “mercado” que o veículo representa: avalia-se, premia-se as bem avaliadas com alunos e as demais, fecha-se por falta de alunos. O “mercado” opera seus milagres e tudo que ele toca, vira “qualidade”. Pergunta-se: desde quando um teste de múltipla escolha atesta qualidade de um profissional?

A razão, como já temos dito por aqui, é que o tal mercado tem horror à regulação. Quando estimula a privatização dizendo que se pode privatizar “regulando” bem, de fato está blefando. É um argumento apenas para facilitar a aceitação da privatização. Como se vê com Trump nos Estados Unidos e aqui na Folha, regulação é tida como intervenção do Estado no mercado. Não é a meta final dos empresários. Ao contrário: é a desregulação que o mercado prega.

Ontem divulguei texto de Diane Ravitch comemorando a data do fim de uma lei que motivou esta política de avaliação nos Estados Unidos, extinta a partir de 2015, ou seja, a desastrosa Lei No Child Left Behind promulgada em 2002. Disse que, por aqui, a ideia de avaliar, premiar e punir ainda é forte. O editorial da Folha confirma isso.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Meritocracia, Privatização, Responsabilização/accountability e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s