Pittsburgh (USA) desiste de pagamento por desempenho

Durante os governos de Obama, o Departamento de Educação americano forçou a preço de ouro a implantação de pagamento dos professores baseado no rendimento dos testes dos estudantes (pagamento por valor agregado). Por não terem alcançado os objetivos da famigerada No Child Left Behing, na realidade objetivos inatingíveis, os Estados foram instados a implantar este tipo de pagamento (entre outras medidas) em troca de receberem um “perdão” por não cumprirem aquela lei. Paralelamente ao Departamento de Educação, a Fundação Bill Gates despejava recursos nos distritos para apoiar a implantação da medida.

Agora, nos informa Diane Ravitch, Pittsburgh desiste desta forma de pagamento:

“Pittsburgh já foi uma das cidades favoritas de Bill Gates. Ele aplicou milhões para testar suas ideias sobre como melhorar o ensino e os resultados dos testes. Mas não funcionou. Agora o superintendente Anthony Hamlet está descartando os últimos vestígios do plano de Gates.
As Escolas Públicas de Pittsburgh estão descartando o sistema de remuneração baseado no desempenho, dando a todos os professores pelo menos um aumento de 2% e pagando aos professores menos experientes até 15% a mais.”

Leia mais aqui.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Avaliação de professores, Meritocracia, Privatização, Responsabilização/accountability e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s