Que frente é essa?

Fala-se muito em uma “frente de esquerda”. Também sou favorável. Mas de repente somos surpreendidos com uma reunião em que participam Delfin Neto, Bresser Pereira, Ciro Gomes e Haddad.

Surgem especulações, negadas por todos, de uma coalizão, aliás, bem ao gosto de Lula.

Haddad não é  apenas mais um. Lula antes de ser preso delegou a ele as articulações políticas para as próximas eleições e não raramente é citado como eventual substituto de Lula nas eleições de 2018.

Quais seriam as consequências de uma eventual coalizão com esta configuração para a educação? Basta olhar para a prática dos envolvidos.

O PT de Haddad, como dissemos outras vezes, já tem antiga simpatia pelo privatismo de terceira via – aquela estória do “público não estatal”, uma privatização disfarçada; Bresser Pereira é o representante mais notório da privatização de terceira via no Brasil  – que foi chamada em sua reforma do Estado, quando trabalhou com FHC, de “publicização”; Ciro Gomes é um defensor da reforma de Sobral, baseada na reforma empresarial da educação, município do Ceará administrado pela família dos Gomes; Haddad quando ministro da educação trabalhou em sintonia com o Todos pela Educação – um movimento que prega a reforma empresarial da educação – e colocou no INEP Reynaldo Fernandes – privatista confesso e que implantou o Ideb e a Prova Brasil censitária; Delfin Neto, dispensa apresentação.

Ou seja, caso vingue esta coalizão, o campo da educação continuará sob ataque da privatização e da reforma empresarial.

O quadro não melhora se olharmos para a esquerda: Boulos não se sabe o que pensa e Manuela em recente lançamento de seus pontos centrais de um futuro governo admite “fomentar diferentes tipos de associações publico-privadas, modernos contratos de concessão em novos setores”. Quais seriam tais setores? Ou seja as marcas do privatismo de terceira via estão presentes.

Não podemos entregar a educação a estas ideias, em nome de combater o autoritarismo e o entreguismo reinantes. Educação é área estratégica.

Juras de amor por um Sistema Nacional de Educação e pelo Plano Nacional de Educação não  nos salvarão do privatismo de terceira via na educação. Faz se necessário um compromisso explícito com o “público estatal” na Educação.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Que frente é essa?

  1. Maria Angelica Peixoto disse:

    Essa frente de esquerda é algo concreto?
    Se onde veio essas informações?
    Grata
    Angelica

  2. Ana disse:

    Prof. Freitas, você poderia fazer um post ou responder com links de artigos/postagens sobre essa reforma de Sobral? Já vi muita gente dizendo que vota no Ciro por conta do sucesso na educação. Lembro de ter lido críticas ao alardeado sucesso mas não consegui recuperá-las.

  3. Adão de Souza. disse:

    Estamos encurralados pelo capital e ao meu ver só existe uma saída que esta na retomada dos movimentos sociais.

  4. Veruska Tenório disse:

    Sou contra a tal frente de esquerda mas concordo plenamente com sua análise da tal reunião. Vc só faltou dizer pra que serve exatamente essa terceira via privatista própria dessa dita esquerda: manter e ajudar o capitalismo a aprofundar a exploração e a desigualdade social no Brasil.
    Por isso que voto na Vera e no Professor Hertz Dias do PSTU e, assim como você, aposto nas lutas sociais como única saída para a crise que vivemos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s