Terceirização de escolas: relatório de custo-eficiência é falho

O National Education Policy Center – NEPC – analisa e reprova mais um relatório que pretende afirmar que as escolas charters (escolas públicas terceirizadas) produzem mais resultados acadêmicos no NAEP – avaliação nacional de larga escala da educação básica americana -, por cada US$1.000 investidos, quando comparadas às escolas públicas.

“BOULDER, CO (10 de maio de 2018) – “Bigger Bang, Fewer Bucks?: the Productivity of Public Charter Schools in Eight U. S. Cities”, publicado pelo Departamento de Reforma Educativa da Universidade de Arkansas, afirma que as escolas charter produzem mais pontuações nos testes de desempenho por dólar investido, em comparação com as escolas públicas.

O professor Julian Vasquez Heilig da California State University revisou o relatório e identificou uma variedade de escolhas metodológicas feitas pelos autores que ameaçam a validade dos resultados.

O relatório é focado em análises de oito cidades dos EUA (Atlanta, Boston, Denver, Houston, Indianápolis, Nova York, San Antonio e Washington D.C.) e usa os índices de custo-eficiência e taxas de retorno do investimento. Conclui que as escolas charter fornecem uma média ponderada de 4,34 pontos adicionais de leitura nos exames do NAEP e 4,73 pontos em matemática no NAEP, a cada US $ 1.000 investidos.

No entanto, o professor Vasquez Heilig aponta que o relatório não explica a não-comparabilidade das populações estudantis em escolas públicas terceirizadas e nas públicas comparadas. Outros quatro problemas também prejudicam as afirmações do relatório. Primeiro, o relatório usa receitas em vez de despesas reais das escolas, apesar das críticas bem estabelecidas a essa abordagem. Em segundo lugar, a falta de especificidade do relatório (por exemplo, usando dados em nível de estado em análises feitas ao nível de cidade e excluindo completamente raça e gênero) afeta a precisão e a validade de seus cálculos.

Terceiro, os autores não conseguem conciliar seu relatório com a extensa literatura de descobertas contrárias. Finalmente, embora o relatório de produtividade anterior do “think tank” incluísse uma advertência dizendo que as alegações de causalidade não eram apropriadas, e ainda que as análises deste novo relatório continuem sendo insuficientes para fazer inferências causais, o novo relatório omite essa advertência.

As evidências neste relatório são tão falhas que não fornecem orientações válidas para educadores ou formuladores de políticas.”

Baixe a revisão do NEPC feita por Julian Vasquez Heilig, aqui.

Baixe o estudo original “Bigger Bang, Fewer Bucks?: The Productivity of Public Charter Schools in Eight U.S. Cities”, escrito por Corey A. DeAngelis, Patrick J. Wolf, Larry D. Maloney e Jay F. Mayand, e publicado pelo, University of Arkansas Department of Education Reform aqui.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Escolas Charters, Links para pesquisas, Privatização, Responsabilização/accountability e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s