New York City: na contramão da segregação

Enquanto a reforma do ensino médio no Brasil, a título de flexibilizar, aprofunda a segregação socioeconômica e racial, a Cidade de Nova York – que já foi inspiração dos reformadores empresariais americanos – tenta corrigir o impacto destas políticas. Informe do National Education Policy Center afirma que o atual prefeito resolveu apostar em outra direção:

“Os estudantes negros e hispânicos compreendem quase 70% das matrículas das escolas médias públicas (middle-school) em Nova York. No entanto, eles normalmente representam apenas 10% dos alunos da oitava série admitidos nas oito escolas especializadas da cidade, incluindo Stuyvesant e a Bronx High School of Science (high school). Essas escolas são alimentadoras de faculdades da Ivy League e de outras universidades de ponta.

As decisões de admissão são atualmente baseadas em um único exame, o Teste de Admissão nas Escolas Secundárias Especializadas (SHSAT). Mas uma recente proposta do prefeito de Nova York, Bill de Blasio, busca diversificar essas escolas especializadas, substituindo o SHSAT por um sistema baseado na classificação de sua classe na escola média e os resultados dos testes estaduais.

Para as três maiores escolas especializadas, essa reforma exigiria mudanças em uma lei estadual de 1971. Essas mudanças podem levar tempo, se ocorrerem. Então, de Blasio também propôs reservar 20% dos assentos em cada escola para estudantes de baixa renda, que estão bem abaixo da pontuação de corte do SHSAT. O prefeito estimou que, combinadas, essas mudanças aumentariam a porcentagem de estudantes negros e hispânicos para 45%.

Preocupações importantes sobre o teste e seu uso são explicadas por um resumo de pesquisa do National Education Policy Center de 2008, elaborado por Joshua Feinman, que descobriu falhas no uso do SHSAT. A análise de Feinman mostrou que milhares de estudantes admitidos com base no exame obtêm pontuações estatisticamente indistinguíveis dos resultados daqueles que não conseguem a nota de corte.”

Acesse o estudo de Feinman sobre o SHSAT: Feinman, J. (2008). High stakes, but low validity? A case study of standardized tests and admissions into New York City specialized high schools. Boulder, CO: National Education Policy Center.

Acesse também o estudo de Corcoran: Corcoran, S. & Baker-Smith, C. (2018). Application, admission, and matriculation to New York City’s specialized high schools. Education Finance and Policy, 13(2).

Leia mais aqui.

Veja também aqui.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Links para pesquisas, Mendonça no Ministério, Meritocracia, Responsabilização/accountability e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s