PT-Bahia trai a agenda da educação pública

O PT da Bahia, traindo a agenda da educação pública, vai “publicizar” parte da administração das suas escolas públicas. Publicizar é uma desculpa para a “privatização envergonhada ou matreira”. O termo publicizar foi criado no âmbito da reforma do Estado que Bresser Pereira organizou para o governo de Fernando Henrique Cardoso nos anos 90, durante a primeira onda neoliberal, e destinava-se a diferenciar entre “publicizar” e “privatizar”.

Para evitar ser carimbado de privatista, os governos oportunistas usam este expediente e criam uma diferenciação abstrata entre publicizar e privatizar. Privatização existiria só quando se vende o empreendimento, por exemplo, a venda de empresas estatais. No caso da educação, estradas, hospitais, segurança, como não há venda propriamente dita, eles consideram que estão “concedendo à iniciativa privada” apenas a administração e não privatizando. Para amenizar ainda mais o impacto, as concessões começam, na educação, pela área administrativa – excluída a parte pedagógica. Depois se generalizam.

Contudo, não existe “meia privatização”. Primeiro, com ou sem venda, é a iniciativa privada que passa a controlar o que é feito na escola e a gestão é de orientação privada; segundo, não importa se é a escola inteira ou meia escola, envolvendo apenas a área administrativa. Privado não é público e vice-versa, não importa o que se diga.

Leia matéria anterior aqui.

Da mesma forma, não importa se é uma organização social com fins lucrativos ou sem fins lucrativos. Todas estas formas de explicação são, na verdade, maneiras de ocultar o início da implantação do controle privado sobre o público.

Baixe aqui a Portaria do governo da Bahia.

Baixe aqui o Projeto de Publicização.

São estas traições que vão criando o desalento nas bases políticas e abrindo caminho para a aliança neoliberal/conservadora.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Privatização e marcado , . Guardar link permanente.

3 respostas para PT-Bahia trai a agenda da educação pública

  1. Jaime disse:

    E não é de hoje que o governador Rui Costa abre ofensiva contra a Educação Pública, pois o fechamento de escolas e medidas de austeridade e descaso para com os professores levaram a Bahia a uma posição vexatória nos índices do IDEB – Ensino Médio. E a militarização das escolas segue plena no estado: já são quase 60 escolas que buscaram parceria com a PM sob o Sistema de Ensino dos Colégios da Polícia Militar (SECPM), implantado ano passado.

  2. Walter Takemoto disse:

    Esse processo privatista da educação básica do governo do estado da Bahia é parte de uma política educacional que engloba um acordo entre o governo do estado, o comando da Polícia Militar e as prefeituras baianas, que já transferiram para a PM mais de 60 escolas municipais para serem geridas nos moldes das escolas militares.

  3. Vânia Moraes disse:

    Parabéns pela análise, Luiz Carlos de Freitas! Somos professores da rede estadual de educação da Bahia e não temos a quem recorrer! A Sindicato até agora apenas informou em uma matéria jornalistica que vai buscar informações sobre a proposta do governo, mas não mobiliza a categoria quanto aos perigos desta proposta! Como vc mesmo disse, “Publicizar é uma desculpa para a “privatização envergonhada ou matreira”! Sigamos adiante!

Deixe uma resposta para Walter Takemoto Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s