Estadão: cúmplices de darwinismo social

Editorial do Estadão chama ‘desejos patológicos de Bolsonaro’ de darwinismo social:

“Qualquer médico que assuma o Ministério da Saúde e queira permanecer no cargo por mais de 15 dias terá que renunciar a esse juramento [da profissão de médico]. Será, portanto, um mau profissional de saúde, que aceitará reduzir o Ministério da Saúde a mero despachante dos patológicos desejos de Bolsonaro. Pior, será um cúmplice de um empreendimento que, sem exagero, já pode ser chamado de social-darwinista – em que a morte por covid-19 é vista como uma forma de depuração da sociedade, pois só abate aqueles que não têm “histórico de atleta”.”

Leia aqui.

Como quem está sendo chamado a concretizar tais desejos patológicos, neste momento, é um general, então conclui-se que, de aceitar este papel, as forças armadas se enquadrarão no que o Editorial chama de “cúmplice” do empreendimento darwinista de Bolsonaro. Se vier um novo ministro, do Centrão, muda o autor, mas não muda a cumplicidade.

Que fiquem atentos tais cúmplices, pois a longa mão da história os alcançará, mesmo que agora pareçam intocáveis.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s