No MT continua o desmonte da educação pública

A Rede Estadual de Educação Pública do Mato Grosso sofre com o processo de desmonte e privatização (veja aqui). Em reunião recente a Secretaria determinou que os atuais diretores dos 15 Cefapros, que são órgãos que cuidam da formação continuada do magistério, tendo como formadores professores experientes da própria rede, aceitem a terceirização destes órgãos a partir de janeiro de 2021.

Os profissionais da educação do MT divulgaram manifesto e solicitam o seu apoio contra mais este desmonte.

Assine abaixo assinado aqui.

MANIFESTO

“Os profissionais da educação da rede Estadual de Mato Grosso, em resposta a críticas e interesses que foram repassadas por membros do Governo do Estado e Seduc, sentem-se na obrigação defender os Cefapros e prestar esclarecimentos acerca de seu funcionamento e avaliação.

As tentativas de desqualificação do trabalho desenvolvido no âmbito dos Cefapros são inconsistentes e não houve, de fato, um debate/estudo aprofundado acerca de quais seriam os verdadeiros motivos para a proposta de “reorganização”.

Considera-se a “reorganização” um desmonte para os avanços do desenvolvimento da formação continuada dos profissionais da educação do Estado de Mato Grosso conquistada até os dias atuais (2020). Ao criticar os Cefapros, destinaram a responsabilidade dessa “reorganização como um pedido dos professores”, no entanto, não apresentaram embasamento para os fatos.

Na história da educação brasileira e de Mato Grosso a formação continuada dos profissionais da educação desse estado no âmbito dos Cefapros foi iniciada em 1997. Desse modo, podemos apontar como pontos favoráveis:

1)     a garantia do direito à formação continuada em serviço para todos os profissionais;

2)      a formação ser realizada/discutida/acompanhada por profissionais da rede de ensino, ou seja, os professores formadores são profissionais da educação do Estado de Mato Grosso;

3)      as ações de formação são concebidas por meio de diálogos entre Cefapros e escolas, pois a implementação formativa ocorre de acordo com as necessidades apontadas pelos profissionais da rede;

No contexto de “reorganização” dos Cefapros, o Governo destaca algumas alterações como vantagem deste desmonte, no entanto, as ações visam um processo de desvalorização dos profissionais da educação com aumento dos investimentos em ações desnecessárias, como:

1)     Formação realizada por meio de “pacotes” adquiridos em instituições privada: As necessidades das escolas serão visualizadas no âmbito geral, não irão promover o diálogo com as escolas;

2)     Aquisição de materiais apostilados para os alunos: O Governo Federal com o Programa Nacional do Livro Didático realiza a distribuição dos livros para as escolas, assim, se o governo Estadual comprar outros materiais didáticos para os alunos aceitaremos um gasto duplo com dinheiro público.

3)     Resultados imediatos: Afirmam que o foco será o monitoramento com avaliações bimestrais, buscando resultados das escolas como um todo, sem articular as particularidades como: Individualidade da realidade de cada escola, escolas quilombolas, escolas do campo, escolas indígenas e Cejas,

Uma ação formativa demanda tempo para a consolidação de práticas, bem como, para o aprofundamento de conhecimentos. A “reorganização” dos Cefapros coloca em risco a construção e avanço na garantia da melhoria da formação continuada no estado.

Os Cefapros são fruto da luta das educadoras, de educadores e do movimento sindical, não podemos abrir mão desse espaço público de formação e nesse processo de reorganização dos Centros temos a privatização do processo formativo dos profissionais da educação. Uma grave ameaça a esse espaço público de formação que deve ser ocupado por servidores da rede pública responsáveis pela formação dos seus pares.”

Assine abaixo assinado aqui.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Privatização e marcado , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para No MT continua o desmonte da educação pública

  1. Elessandra Abreu Guimarães disse:

    Não podemos retroceder, abrir mão dos nossos direitos conquistados por um capricho desses governantes que estão no poder, só desmontando o que já está pronto!

  2. Maraluce Rodrigues Ferreira disse:

    É uma vergonha esse governo ele tem raiva da educacao. Não podemos deixar ele acabar com a Educacao

  3. Maria Mercedes de Moura Severo disse:

    Eu digo não a privatização!

  4. Estamos junto com os profissionais da cefapro

  5. Teina disse:

    Mais uma desse desgoverno do Mauro Mendes em MT. Vamos a luta em defesa da educação pública, dos professores e dos CEFAPROS!

  6. Pingback: Educação pelo Brasil, edição 302 – Jornal Pensar a Educação em Pauta

Deixe uma resposta para Benedita Cristina Leite Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s