Quebrando a mesmice

Postado originalmente na Uol em 26/03/2012

Maria Alice Setubal ocupa hoje a página três da folha com o artigo “Os melhores professores para as piores escolas”. Raro é o posicionamento da autora entre a rede de fundações privadas no Brasil. Usualmente, tais fundações estão inseridas em esquemas de perpetuação de má política educacional (no sentido de política sem evidência empírica consistente) e de defesa ideológica das teses de mercado para a área educacional. Corajosa, Maria Alice afirma uma posição mais independente. Diz:

“O Sistema de bônus cria competição danosa e afasta bons professores dos alunos ruins; a educação não é como o mercado, em que a concorrência pode ser saudável.”

Isto é política pública calcada em evidência empírica. Basta consultarmos a literatura (em especial o estado da arte neste campo produzido pela National Academy of Science dos EUA) e vamos encontrar inúmeras ressalvas à utilização disto que está se tornando panaceia no Brasil: tratar o professor como vendedor de carros, ganhando comissão por aluno que ensina (bônus). Como já demonstrou o CENPEC em outro estudo, em áreas metropolitanas, a instituição destas políticas de pressão sobre a escola termina produzindo alterações no território que abriga um determinado conjunto de escolas, com possibilidade de aumento da segregação e discriminação negativa na aprendizagem.

Está certa a presidenta dos Conselhos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária, da Fundação Tide Setubal – para ela, “precisamos de mais cooperação e menos competição. Precisamos ter a ousadia para inverter a relação meritocracia-competição para meritocracia-colaboração.”

Pode-se discordar de outros aspectos abordados pela autora, mas a concordância neste ponto não é pouco em uma conjuntura onde a fala de educadores profissionais é desqualificada em favor de falas rápidas e receitas improvisadas que pregam soluções muito mais alinhadas com interesses empresariais ideológicos ou de faturamento.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Avaliação de professores, Meritocracia, Postagens antigas da UOL e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s