O Manifesto: terceiro macrotema (XV)

Postado originalmente na Uol em janeiro/2011

Finalizando este segundo ponto do terceiro macrotema, enfatizamos que as questões de pesquisa em educação são todas complexas – mesmo que o mercado não goste. É da natureza do tema. E chamo a atenção: isso ocorre em uma recomendação com a qual imagino que quase todos os educadores concordem. Quem é contra mais horas de escola? Imagine, então, para outras questões mais polêmicas. Mas fiz esta exercitação para mostrar que quando o dado empírico aparece, então, podemos discutir. Daí a necessidade deles serem apresentados e não apenas afirmações genéricas.

De resto, o Manifesto propõe para este item (aumento do tempo do aluno na escola) que se tenha um prazo de 20 anos para que 80% dos alunos matriculados na educação básica do país tenham acesso a escola de período semi-integral. Parece que aqui, não há tanta pressa.

Não é preciso muito esforço para se concordar com o Manifesto quando à necessidade de se ampliar o tempo que o aluno passa na escola. Mas não temos a mesma destinação para este tempo adicional. Aqui os reformadores indicam o site da KIPP (Knowledge is Power Program), da Fundação Kipp, para fundamentar a adequação de se ter mais horas de escolarização. O programa KIPP é considerado um protótipo das Charter Schools que os reformadores defenderão mais adiante – privatização da escola pública. Para conhecer mais sobre as KIPP clique aqui.

O viés ideológico é claro, pois é óbvio para qualquer avaliador que não se pode remeter ao site da KIPP para uma avaliação sobre o programa KIPP. Qual a situação da avaliação deste programa? Em 2008, segundo Henig:

“Embora muitos considerem  o KIPP (Programa Conhecimento é Poder) como um protótipo de operador de “charter school” que merece expansão e replicação, poucas avaliações sistemáticas e independentes estão disponiveis. Um estudo em grande escala que incorpora um delineamento randômico foi iniciado, mas até que este estudo esteja completo, os formuladores de política têm que aprender o que podem a partir da evidência existente.”

O estudo de Henig está no link abaixo:

http://greatlakescenter.org/docs/Policy_Briefs/Henig_Kipp.pdf

Nas próximas postagens examinaremos a terceiro ponto do macrotema 3.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em A proposta, Links para pesquisas, Postagens antigas da UOL, Responsabilização/accountability. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s