USA: professores protagonizam resistência

Anthony Cody, em seu blog, examina o atual momento da educação americana e o papel dos educadores na resistência das reformas educacionais dos empresários.

“Mesmo as lógicas liberais para a reforma da educação estão caindo. Temos ouvido durante a última década que os empregadores precisam de estudantes que possam pensar de forma crítica e criativa, que todos devem estar preparados para a faculdade. Esses argumentos têm sido usados para promover modelos progressivos de educação, juntamente com o Núcleo Comum. O pressuposto econômico aqui é que a classe média vai crescer à medida que mais alunos estão preparados para empregos de classe média. Mas o número desses empregos está encolhendo, não crescendo. A suposta falta de pessoas preparadas para as carreiras STEM é uma farsa, como podemos ver com a demissão de 18 mil desses trabalhadores pela Microsoft. Na verdade, uma projeção econômica sugere que nos próximos 20 anos, 47% dos postos de trabalho de hoje terá desaparecido como resultado dos avanços tecnológicos o que nos termos de Bill Gates chama-se “substituição por software.” (Veja o relatório completo aqui.)”

Sobre a resistência ele diz:

“Existem alguns lugares onde esta força e consciência estão sendo construídas. Ativistas do Sindicato dos Professores de Chicago estão em campanha para conectar o futuro de sua organização com os interesses dos alunos e pais em sua comunidade. Eles fazem reuniões com a comunidade para descobrir as questões que mais preocupam os pais e alunos. E eles partiram para a ofensiva, redefinindo a própria ideia de reforma para que ela gire em torno dos interesses dos alunos, em vez do interesse de empresas com fins lucrativos. Quando o prefeito Rahm Emanuel tentou esmagá-los, eles se organizaram, e fizeram uma das greves de maior sucesso da última década. Este verão, a CTU aplicou os seus poderes de análise no Núcleo Comum curricular, e até desafiou o projeto durante a convenção da AFT. Eles continuam a se organizar e a desafiar a estrutura de poder bilionário, e se Karen Lewis decide desafiar Emanuel na disputa para prefeito, isso realmente vai agitar as coisas. E o Sindicado dos Professores de Chicago não está sozinho ao engajar-se nessa abordagem radical da justiça social. Ativistas em Milwaukee, Nova York, Seattle e Los Angeles estão fazendo um trabalho similar. Organizações como a Rede de Educação Pública e a Associação Badass de Professores oferecem caminhos para ativistas se conectarem e se mobilizarem também. O grupo United OptOut está conectando professores, alunos e pais que estão organizando boicotes aos testes que estão sendo usados para minar e destruir nossas escolas.”

Leia análise completa (em inglês) aqui.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Links para pesquisas, Responsabilização/accountability e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s