Kroton articula “Aliança Bra$ileira pela Educação”

Fábio Galvão nos informa sobre mais “fatos surpreendentes” provenientes da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, desta feita, de São Paulo para o Brasil. A gigante da iniciativa privada no Ensino Superior agora resolveu praticar “responsabilidade social” com a Educação Básica e esta articulando uma “aliança pela educação brasileira” para melhorar o ensino público.

“Um outro fato surpreendente acontecerá na próxima quarta-feira, dia 31 de agosto, na Secretaria de Educação de São Paulo. Diz o convite: “lançamento da Aliança Brasileira pela Educação, um projeto de responsabilidade social da Kroton de melhoria do ensino público em todo o país.

Na ocasião, contaremos com a presença do presidente da Kroton, Rodrigo Galindo e do vice-presidente acadêmico, Mario Ghio, além de conselheiros integrantes do Comitê de Responsabilidade Social da Kroton, como Evando Neiva.

O projeto será apresentado para diretores de escolas públicas estaduais e outros nomes importantes do setor educacional. Foram convidados para o evento autoridades públicas como o governador Geraldo Alckmin e o secretário de educação José Renato Nalini, cujas presenças estão a confirmar.”

O convite cita que “o movimento replicará nacionalmente o sucesso do da Conspiração Mineira Pela Educação, presente em Minas há 10 anos”. Este movimento tem como uma das principais lideranças o economista Claudio de Moura Castro.”

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais, Privatização. Bookmark o link permanente.

9 respostas para Kroton articula “Aliança Bra$ileira pela Educação”

  1. Desculpa a nossa falha: o lançamento da Aliança Brasileira pela Educação será no dia 31 de agosto, quarta-feira, e não dia 29, como informado antes

  2. Maria Estela Sigrist Betini disse:

    A Revista Exame, edição 1069, ano 48, nº 13, 23/7/2014 traz informações importantes sobre essa empresa Kroton, que atua ou atuava na Educação Superior, como mostra a reportagem abaixo:
    “Nenhuma empresa aproveitou tão bem a explosão do número de estudantes universitários no Brasil quanto a Kroton – que já é a maior companhia de educação do mundo. (Págs. 34 e 42 )

    “Empresas como a Kroton não precisam – nem têm a pretensão – formar o primeiro Prêmio Nobel brasileiro. O papel de formar pensadores e executivos de elite vai continuar nas mãos de escolas públicas ou de redes como Ibmec e a Fundação Getúlio Vargas – assim como, nos Estados Unidos, a pesquisa se concentra em escolas sem fins lucrativos, como Harvard e o Massachusetts Institute of Technology”.

    Portanto, sabem que é a escola pública tem as condições de ser a melhor e de imprimir uma qualidade, e que quem dirige negócios tem outros interesses. A reportagem todo tempo ressalta a capacidade do presidente da Kroton em aumentar os lucros da empresa e traz informação que o presidente só autoriza a abertura de nova classe depois de garantir que haverá rentabilidade, os currículos são divididos para que haja maior número de cursos que compartilhem as mesmas aulas, e ao final, a reportagem admite que o risco é puxar a média geral para baixo quando se incorporam novas unidades, pois seu índice é de 80% de satisfatório, pela avaliação do MEC, mas de 47% das escolas adquiridas da Anhanguera, que foi por eles comprada. Outra informação importante, “no total, 35% da receita da Kroton depende diretamente dos financiamentos do governo federal”. (Revista Exame, edição 1069, ano 48, nº 13, 23/7/2014. Págs. 37, 38)

    Não se iludam, o interesse é o lucro nada de responsabilidade social,

    • Leandro disse:

      Mesmo que o interesse final seja lucro, não é melhor que tenhamos mais gente lutando por ensino de qualidade?

      • Valentino Massariol Ruy disse:

        A pergunta a se fazer aqui é outra: o que é ensino de qualidade?
        Acredito que a concepção de qualidade do grupo Kroton difere em muito da concepção de qualidade das demais instituições educacionais.
        O interesse do grupo Kroton na educação básica brasileira é similar ao interesse do Mc Donald’s na alimentação mundial

      • Há muito material no blog que pode responder esta sua pergunta, Leandro. Continue lendo.

      • JONAS DA ROCHA VILELA disse:

        Concordo plenamente com a resposta do Valentino. Acrescento, ainda, que Monopólio só se presta a explorar e achar meios de fazer alianças com representantes de sectores públicos e privados, de modo a sucater as instituições públicas, para que fiquem desacreditadas pela população, justificando-se, assim, sua privatização.

  3. MARIA ANTONIA DE OLIVEIRA AVEDOVATO disse:

    Economista entende de economia. Educacao se faz com educadores!!!

  4. Josianne Francia Cerasoli disse:

    Caro Luiz Carlos, partilho aqui a notícia do lançamento da Aliánça, do modo como foi divulgado pela Secretaria de Educação: como se fosse uma promissora parceria. Só deixa de dizer para quem seria tão promissora…
    http://www.educacao.sp.gov.br/noticias/educacao-da-inicio-a-novo-programa-de-capacitacao-de-lideres-escolares

  5. Pingback: La mayor empresa privada de educación superior del mundo expande sus actuaciones en la educación pública de Brasil | CONTRACORRIENTE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s