Foi lançado no Rio o CEIPE de Claudia Costin

FGV, Harvard e Brookings lançam o Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais no Rio de Janeiro, dirigido por Claudia Costin, ex-diretora de Educação do Banco Mundial.

“Políticas e modelos de educação que já deram certo no Brasil serão a fonte de estudos do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais (Ceipe), lançado ontem (28) pela Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getúlio Vargas (FGV/EBAPE), em parceria com o Programa de Política Educacional Internacional da Universidade de Harvard e do Instituto Brookings, dos Estados Unidos. O lançamento foi no Palácio da Cidade, da Prefeitura do Rio, em Botafogo, zona sul da cidade e contou com a presença de especialistas do setor.

A diretora do Ceipe, Cláudia Costin, foi ex-secretária municipal de Educação do Rio de Janeiro, ex-diretora global de Educação do Banco Mundial e professora visitante na Faculdade de Educação da Universidade de Harvard. Ela disse que acredita ser possível expandir boas experiências pelo País a partir da análise dos resultados que apontem evidências científicas capazes de significar reais avanços da educação do País. “Educação, assim como outras áreas, tem protocolos e abordagens que funcionam de forma melhor que em outras. Então, estudar quais processos e especialmente quais pedagogias funcionam melhor também é um dos objetos do centro”, disse à Agência Brasil.”

Laia mais aqui.

Para a FGV:

“O CEIPE vai auxiliar na idealização, planejamento, implementação, acompanhamento e avaliação de políticas educacionais inovadoras em áreas prioritárias, como a formação de gestores da educação e professores.”

Leia aqui.

Tal como o CEIPE, o Brookings Institution é um think tank destinado a apoiar ideias liberal-conservadoras. Pode não ser partidário, no sentido de representar um partido político, mas é claro que tem uma ideologia que permeia sua atuação. Esta ideologia terá a cor dos partidos sujas ideias são correspondentes à ação do Centro. No caso do Brookings, sua atuação é quase que meio a meio destinada a fortalecer as ideias liberais e conservadoras.

Recentemente em agosto de 2016, Eric Lipton e Brooke Williams publicaram reportagem no The New York Times em que procuram esclarecer o papel dos think tanks: “Como os think tanks amplificam a influência da America corporativa“.

Para os articulistas, que examinam neste artigo inclusive o papel do Brookings Institution, parceira do CEIPE da FGV no Rio:

“Think tanks são vistos como independentes mas seus acadêmicos frequentemente apoiam as agendas dos doadores, amplificando a cultura da influência corporativa em Washington.”

Para os autores, memorandos internos obtidos mostram a relação do Brookings com o Banco J. M. Morgan Chase, com a firma de investimentos globais K.K.R., com a Microsoft e com a Hitachi. O Instituto Brookings, nega.

A própria FGV se auto-define como um think tank:

“Atualmente, políticas públicas envolvem um grande número de atores domésticos e internacionais que procuram influenciá-las, tais como organizações internacionais, governos estrangeiros, grupos de interesse, experts, acadêmicos e think tanks. Os chamados think tanks (ou “centros de conhecimento”) são cada vez mais importantes em um mundo cuja complexidade é crescente e onde a tomada de decisão não está exclusivamente nas mãos dos governos.”

O think tank de Claudia Costin foi lançado na presença de autoridades de governos, mostrando sua disposição em afetar políticas públicas:

“Na ocasião, estarão presentes: Carlos Ivan Simonsen Leal (presidente da FGV); Flavio Vasconcelos (diretor da EBAPE); Claudia Costin (diretora do CEIPE); Jenny Perlman Robinson (Instituto Brookings); Fernando Reimers (professor da Universidade de Harvard); Flavio Dino (governador do Maranhão); Felipe Camarão (secretário de Educação do Estado MA); Wagner Victer (secretário de Educação do Estado RJ); Helena Bomeny (secretária de Educação do Município do RJ); Marco Aurélio Marrafon (secretário de Educação do Estado do MT); Teresa Bergher (vereadora do Rio de Janeiro); José Eduardo Amantinni (prefeito de Itapuí SP); e Rafael Parente(especialista em Inovação na Educação).”

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais, Links para pesquisas, Responsabilização/accountability. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s