Cingapura não é mais a mesma…

Os países que ainda têm uma visão atrasada de avaliação meritocrática, vivem a ilusão de que o foco nas notas e na meritocracia é a saída para a crise educacional. Mal sabem que esta “saída” conduz a outro beco “sem saída” promovido pela própria meritocracia, ou seja, a ampliação da desigualdade social e a destruição dos nexos de solidariedade dentro e fora da escola.

Cingapura é louvada por autoridades brasileiras como modelo de educação eficiente, pois ocupa posições elevadas nos rankings da OCDE. Mas, elas precisam saber que a experiência daquele país levou-o agora, tardiamente, a constatar que este enfoque baseado na competição das escolas, na meritocracia, acelerou outra crise:

“A divisão social no país está cada vez maior, porque as práticas do sistema educacional baseadas no princípio da meritocracia que renderam elogios a Cingapura não promovem mais a mobilidade social como deveriam.

Está em curso um trabalho para combater tudo no sistema que esteja prejudicando a coesão social. E dessa vez não vai ser suficiente apenas desenvolver uma força de trabalho altamente qualificada para se conectar à economia global.”

Veja mais aqui.

O sistema educacional de Cingapura está agora rendendo-se a outras teses. Não dá para concordar com todas – em especial com a equivocada ênfase que passará a ser dada nas habilidades socioemocionais, na tentativa, agora, de apagar incêndios e de reverter danos – mas é significativo que uma das melhor colocadas nos rankings internacionais esteja defendendo uma visão mais solidária e menos competitiva de sociedade:

“As políticas estão se distanciando da obsessão nada saudável de pais e alunos por notas e vagas nas melhores escolas e enfatizando a valores e princípios. Escolas estão sendo encorajadas, especialmente as do ensino fundamental, a riscar do currículo exames padrões e focar no desenvolvimento integral da criança.”

E agora, Cingapura? Como reverter isso. Quando estas ideias inúteis são implementadas, os educadores que as criticam são considerados portadores de “blá, blá, blá pedagógico”. Quando as consequências pedagógicas e sociais se apresentam, os autores da “solução pela eficiência e pela responsabilização” desaparecem. Não há responsabilização pelos erros de política, curiosamente. O dito fica pelo não dito. E as ideias consideradas “blá, blá, blá pedagógico”, então reaparecem do nada.

Quem sabe o pessoal de Brasília, se dá conta…

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais, Mendonça no Ministério, Meritocracia, Privatização, Responsabilização/accountability e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s