Seminário UNIBANCO pauta reforma do Ensino Médio

Realizou-se nos dias 21 e 22 de junho passado o “Seminário Internacional Desafios Curriculares do Ensino Médio: flexibilização e implementação” promovido pelo Instituto Unibanco. Os materiais usados nas apresentações estão disponíveis.

Além da apresentação do anfitrião, Ricardo Henriques, é importante ver a posição internacional sobre a matéria (Claudia – ex-Banco Mundial, Elizabeth – OCDE e João Marcelo – BID) e em seguida a posição dos gestores brasileiros (Julio, Marcos Elias e Rossieli). Este último dá informações relevantes sobre como será a implementação dos próximos passos pelo Ministério da Educação.

Flexibilização curricular e sua implementação no Brasil: uma proposta de estruturação do debate – Ricardo Henriques  do Instituto Unibanco – clique aqui.

Processos de reestruturação do Ensino Médio: desafios e aprendizados

Claudia Costin do Centro de Inovação em Políticas Educacionais (CEIP), FGV do Rio de Janeiro – clique aqui. 
Elizabeth Fordham da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) – clique aqui. 
João Marcelo Borges  do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) – clique aqui.

Perspectivas da reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Poder Executivo e dos Conselhos de Educação

Júlio Gregório do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) – clique aqui. 
Marcos Elias Moreira do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação (FNCEE) – clique aqui. 
Rossieli Soares da Silva da SEB do Ministério da Educação (MEC) – clique aqui.

Destaco ainda a posição do CONSED, com a apresentação de Julio Gregório, onde se pode ver a proposta de um “Programa de Formação em Planejamento para a Implementação de Políticas Públicas e Desenvolvimento do Ensino Médio” que será desenvolvido em uma parceria entre o CONSED, Itaú BBA, Instituto Unibanco e o Insper.

Esta parceria pretende realizar um programa de formação com todas as secretarias de educação para discutir o desenvolvimento do ensino médio, no contexto da Lei 13.415/2017 a ser potencialmente implementada. É composto de várias frentes, uma delas denominada “BNCC e Flexibilização Curricular” prevê um Grupo de trabalho com o propósito de criar um posicionamento do Consed para incidência na definição de um desenho de BNCC que potencialize a flexibilização curricular e conceba premissas comuns aos estados, para a construção de arquiteturas curriculares que promovam igualdade de acesso e aprendizagem a todos os estudantes. Pretende ainda:

  1. Buscar formas de influenciar a proposta da BNCC para assegurar a real possibilidade de execução da flexibilização curricular;
  1. Ter um posicionamento dos estados de premissas comuns para todos garantindo a qualidade e equidade no desenho da arquitetura curricular do EM envolvendo a flexibilização curricular;
  1. Garantir articulação com MEC, CNE e CEES.

Prevê ainda um “Plano de Comunicação de escuta e conscientização dos estudantes, professores, diretores e famílias”.

Há outras apresentações que podem ser acessadas aqui.

Há também um filme que foi projetado e cujo trailer pode ser visto aqui.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Mendonça no Ministério, Privatização, Segregação/exclusão e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s