Florianópolis tenta privatizar educação

Desde o dia 12 de abril de 2018 os professores da cidade de Florianópolis em Santa Catarina estão em greve contra projeto do prefeito que propõe a privatização da área da saúde e da educação para organizações sociais.

Mais uma cidade ruma para a elaboração de políticas públicas de costas para as evidências empíricas que atestam a falência destas ideias no âmbito da saúde e da educação onde foram utilizadas.

Os professores de Florianópolis em sua luta não estão defendendo apenas a educação pública, mas estão defendendo também seus estudantes. Nesta luta, será importante também incorporar os pais dos estudantes. Há consequências duras para eles também. Esta será uma das lutas mais duras e longas da educação e, exatamente por isso, é importante que ela se inicie de imediato.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Escolas Charters, Meritocracia, Privatização, Responsabilização/accountability e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s