Plataformas de aprendizagem: riscos e recomendações

Cada vez mais as escolas estarão sendo assediadas para aceitar a introdução de plataformas de aprendizagem e materiais instrucionais digitais pré-fabricados. A implantação de uma base nacional comum obrigatória potencializará este processo ao criar um mercado nacional. O próprio Ministério da Educação já induz este caminho ao apoiar tais iniciativas em associação com a iniciativa privada.

Na forma como tem sido utilizada a tecnologia educativa, além do impacto na desqualificação do próprio processo formativo dos alunos e professores, uma série de outras preocupações – incluindo a coleta de dados pessoais dos estudantes – precisa entrar no radar dos pais, professores e estudantes.

O National Education Policy Center publicou a décima nova edição (2017) do relatório sobre os riscos e tendências de comercialização de programas de computação e plataformas de aprendizagem nas escolas e faz importantes alertas para os pais e profissionais da educação na adoção destes: “Asleep at the switch: schoolhouse commercialism, student privacy, and the failure of policymaking”, escrito por Faith Boninger, Alex Molnar, e Kevin Murray, School of Education, University of Colorado Boulder.

Resumo:

À medida que as escolas continuam a integrar tecnologias em todos os aspectos da vida escolar, essas tecnologias estão sendo aproveitadas para ampliar o marketing corporativo e a lucratividade das empresas, ampliando o alcance das atividades de comercialização em todos os aspectos da vida escolar dos alunos. Embora os esforços do marketing voltado para a escola sejam muitas vezes chamados de “inovadores” e “prontos para uso”, muitos deles são pouco mais do que estratégias de marketing reformuladas que, ao longo dos anos, foram vistas repetidas vezes.

A crescente confiança das escolas na tecnologia educacional intensificou o tipo de marketing voltado para a escola que estudamos há anos: (1) apropriação do espaço de propriedade escolar, (2) programas e atividades patrocinados, (3) acordos de exclusividade, (4) patrocínio de materiais educacionais suplementares, (5) programas de incentivo, (6) captação de recursos e (7) marketing digital.

No entanto, além do objetivo tradicional de fornecer exposição de marca, a tecnologia de educação agora envolve os alunos em atividades que facilitam a coleta de dados pessoais valiosos e que levam os alunos a aceitar essa vigilância como normal.

O relatório deste ano foca principalmente em como os avanços tecnológicos, a atração da “individualização” e a regulamentação negligente estimulam a coleta de dados pessoais e sobrecarregam os esforços para proteger a privacidade das crianças. Entidades com fins lucrativos estão aumentando a dependência da tecnologia educacional com o objetivo de transformar a educação em um centro de lucro cada vez maior – vendendo hardware, software e serviços tecnológicos para as escolas; usando tecnologia para reduzir custos de pessoal; criando clientes fiéis à marca; e cada vez mais, transformando os dados dos alunos em um produto comercializável.

O objetivo do lucro, por sua vez, pode muitas vezes distorcer e diminuir a qualidade da educação que as crianças recebem. As crenças dominantes atualmente associadas à tecnologia e ao desenvolvimento econômico estão levando escolas e distritos a mudar suas políticas, pagar enormes somas de dinheiro a fornecedores privados e criar sistemas para divulgar grandes quantidades de informações pessoais de crianças a empresas de tecnologia educacional.

Os aplicativos de educação, particularmente aqueles que tentam “personalizar” o aprendizado do aluno, são alimentados por algoritmos proprietários que podem prejudicar as crianças à medida que implementam teorias de aprendizado sem que os formuladores de políticas ou professores possam examinar como eles funcionam ou como os dados dos alunos estão sendo usados.

Ao adotar esses aplicativos e encorajar ou exigir que os alunos os usem, as escolas efetivamente canalizam as crianças para uma “economia de vigilância” que coleta seus dados para obter lucro, incentivando-os a adotar uma visão de mundo individualista e consumista. Neste contexto, a formulação de políticas para proteger a privacidade das crianças ou para avaliar a qualidade da tecnologia educacional que eles usam varia de inadequada a inexistente.

Recomendações:

Os tomadores de decisão não devem confiar na autorregulamentação da indústria para proteger a privacidade das crianças e a qualidade de sua educação. Em vez disso, legisladores e formuladores de políticas devem criar políticas claras apoiadas por sanções fortes e exequíveis ​​que:

  • Proibam as escolas de coletar dados pessoais de alunos, a menos que estejam em vigor proteções rigorosas, facilmente compreensíveis para seu uso apropriado, proteção e disposição final de tais dados.

  • Tornar as escolas, distritos e empresas que têm acesso a dados de alunos responsáveis ​​por violações da privacidade do aluno.

  • Exigir que os algoritmos dos softwares educacionais estejam abertamente disponíveis para exame por educadores e pesquisadores.

  • Proibir a adoção de aplicativos de software educacional que dependam de algoritmos a menos que uma análise feita por especialistas independentes examine os algoritmos para verificação de vieses e erros, e a menos que dados válidos tenham mostrado que os algoritmos produzem os resultados anunciados.

  • Exigir avaliações independentes sobre a validade e utilidade das tecnologias, e as potenciais ameaças que representam para o bem-estar dos estudantes, a serem conduzidas e corrigidas antes da adoção. Além disso, os pais, professores e administradores – como indivíduos e através de suas organizações – devem trabalhar para divulgar tanto as ameaças que as tecnologias educacionais não regulamentadas representam para as crianças, quanto a importância de se permitir o acesso aos algoritmos que potencializam os softwares educacionais.

Baixe aqui o relatório completo do NEPC.

Veja mais publicações aqui.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Links para pesquisas e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Plataformas de aprendizagem: riscos e recomendações

  1. Essa discussão é essêncial, principalmente no que tange a ênfase em dominar bem as tecnologias para garantir seu bom uso. Em particular os esforços no sentido de deixar claro o uso dos dados e políticas que demandem que os dados de uso possam ser acessados de forma bruta, para posterior análise independente do seu impacto. A transparência deve ser a regra, inclusive para garantir que os dados possam ajudar a avaliar a implementação dessas políticas, garantindo a liberdade e a privacidade dos estudantes, professores e gestores.

  2. Pingback: Plataformas de aprendizagem: riscos e recomendações | Grupo de Estudos e Pesquisa em Avaliação e Organização do Trabalho Pedagógico

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s