Bolsonaro: um governo crível? – II

Ancelmo Gois revelou em seu blog no Globo que o Ministério da Educação, em um de seus órgãos, o INES – Instituto Nacional de Educação de Surdos – havia feito uma exclusão de vídeos ligados a temas que desagradam o governo Bolsonaro e que contavam a história de personagens como Marx, Engels, Nietzche – entre outros.

Em nota o Ministério da Educação disse que a retirada dos vídeos havia sido feita ainda na gestão anterior (de Temer) e que o ministro é um cidadão democrático e que não teve nada a ver com a história.

Além disso, acusa o jornalista Gois de ter sido treinado pela KGB na União Soviética. Um episódio claro de macartismo.

Hoje o jornalista exibe em sua coluna o cache do Google que atesta que os vídeos ainda estavam no ar pelo menos até o dia 2 de janeiro de 2019 no site do INES. Portanto, saíram do ar no início do governo Bolsonaro.

Nestes primeiros trinta dias de governo, tem sido esta a característica mais marcante do governo Bolsonaro: ocultar o dito e atribuir erros a outros, sempre querendo responsabilizar a esquerda pelos seus próprios desatinos paranoicos.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Assuntos gerais, Velez no Ministério e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s