O “bônus” está de volta: mais dinheiro pelo ralo

Reportagem de Paulo Sandaña, na Folha de São Paulo, informa que o Ministério da Educação vai lançar um programa para as escolas dos anos finais do ensino fundamental, ou seja, do 6º ao 9º ano, que prevê assistência técnica e bonificação para aquelas que melhorem resultados de abandono, aprendizado e desigualdade.

Leia aqui.

A ideia do “bônus” está de volta. Como já disse Diane Ravitch, bônus é “uma ideia que nunca morre e nunca funciona”. Ela volta associada a assessoria técnica a escola de baixos resultados e não escapa à ideia equivocada de que o problema da desigualdade educacional é questão de gestão e incentivo para a escola e não de condições de vida que se agravam com as condições de trabalho existentes nas escolas e o grande número de alunos nas salas de aulas. Nos últimos 20 anos, nos demos ao luxo de fechar 146.000 escolas básicas na cidade e no campo, ao invés de usar estes professores e equipamentos para reduzir o número de alunos nas salas de aula das grandes escolas, permitindo uma melhor atenção dos professores a seus estudantes.

A fé nos bônus advém da lógica liberal que prega que todo reconhecimento nunca pode ser feito de forma compartilhada, mas sempre incentivando a disputa, a concorrência. A concorrência é que levaria à qualidade e não o investimento público em si.

Bônus já foi tentado em várias formas pelo mundo afora sem resultados. Primeiro tentou-se dar bônus para o melhor professor, depois passou-se a dar bônus para escolas, ante o fracasso da primeira versão, e finalmente virou pagamento de salário por valor agregado, mais recentemente. De fracasso em fracasso, se mantém por questões meramente ideológicas e não de resultados. E não precisa nem ir a Nova York, basta ver a avaliação da política de bônus no Estado de São Paulo. Mas se quiser os dados de Nova York, veja aqui.

E assim caminha a educação brasileira. Depois de dois anos de inoperância do MEC, ele porá em prática políticas educativas pontuais e já fracassadas.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Avaliação de professores, Links para pesquisas, MEC sob Bolsonaro, Meritocracia, Pastor Milton no MEC, Privatização, Responsabilização/accountability e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para O “bônus” está de volta: mais dinheiro pelo ralo

  1. Pingback: O “bônus” está de volta: mais dinheiro pelo ralo – Grupo de Pesquisa em Avaliação e Organização do Trabalho Pedagógico

  2. Aparecida Ferreira Lopes disse:

    Lamentável que o mais fácil seja sempre pensar que a culpa é dos(as) professores, professoras e gestão. Lamentável e , assim caminha rumo a bueiros o dinheiro da educação pública que ,cada vez se torna mais difícil se ter ou manter a qualidade por falta de investimento em incentivos reais, que levem a resultados de fato, como exemplo, investimento em pesquisas que percebemos como faz falta principalmente neste quadro que estamos sobrevivendo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s