Stiglitz e a farsa da meritocracia

Joseph Stiglitz é um liberal que tem tomado como objeto de estudo a “desigualdade social”. Prêmio Nobel de Economia, em seu livro “El precio de la desigualdade: 1% da população têm o que os 99% precisam” põe a nu a mentira da meritocracia e da teoria do esforço pessoal:

“90% dos que nascem pobres morrem pobres por mais esforço ou mérito que façam, enquanto que 90% dos que nascem ricos morrem ricos, independentemente de que façam ou não mérito.”

Acesse aquí a entrevista.

A meritocracia é a maneira pela qual a classe dominante tenta convencer os pobres de que os ricos são ricos porque reuniram mérito através do esforço pessoal, do empreendedorismo. Os ricos convidam os pobres a disputar com eles, a serem empreendedores, desde seu lugar seguro e privilegiado, sabendo que os pobres jamais reunirão as condições que eles têm para competir. A meritocracia é um jogo de cartas marcadas.

Veja também Sandel.

Veja também Markovits.

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Links para pesquisas, Meritocracia, Responsabilização/accountability, Segregação/exclusão e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Stiglitz e a farsa da meritocracia

  1. Pingback: Viés de sobrevivência, limite dos dados e meu problema com histórias de superação – Reminiscências

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s