IDEB: ensino privado continua fora da meta

É pouco comentado, mas a rede privada no Brasil não consegue que suas escolas atinjam as metas do IDEB em nenhum dos níveis de ensino desde 2011 – nem mesmo nos anos iniciais do fundamental onde o Brasil mais cresceu nos últimos 15 anos, nível de ensino em que as públicas estão dentro da meta.

As metas são numericamente diferentes para as redes públicas e privadas. No setor público a meta dos anos iniciais (para 2017) é 5.2 e para a privada 7.2. A rede pública teve 5.5 e a privada 7.1. Foram estabelecidas por modelos matemáticos a partir dos resultados da aplicação de 2005 quando se criou o IDEB.

Nos anos finais do fundamental a meta das públicas é 4.7 e a da rede privada é 7.0. Em 2017 a rede pública teve 4.4 e a privada 6,4. Nenhuma delas atinge a meta, mas a rede privada não atinge desde 2009 enquanto a pública não atinge desde 2013.

No ensino médio as dificuldades continuam. A rede privada tem como meta 6.7 e obteve em 2017 a nota 5.8. A rede pública tem como meta 4.4 e obteve a nota 3.5. Enquanto a rede privada não atinge a meta desde 2007 a pública deixou de atingir sua meta em 2011.

 

IdebGeral

Sobre Luiz Carlos de Freitas

Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (SP) Brasil.
Esse post foi publicado em Ideb, Links para pesquisas, Mendonça no Ministério, Prova Brasil. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para IDEB: ensino privado continua fora da meta

  1. MILENE A FERREIRA disse:

    Interessante as reflexões professor, mas não concordo que tomemos como referência a média geral das Redes públicas ou privadas. Médias não conseguem apanhar os dados fora da curva, não expressa a particularidade nem as extremidades. O índice em si não representa a realidade do ensino nas instituições. A fórmula que constitui o índice pode camuflar tanto o “sucesso” quanto o “fracasso” escolar ( não do aluno, mas da organização do trabalho pedagógico da escola e das fragilidades das redes). Por exemplo, uma das escolas da RME de Goiânia foi enquadrada pelo índice de 7,6 no IDEB, já o coeficiente de proficiência para os anos iniciais no tocante ao ensino da Língua Portuguesa aponta que 96% dos educandos avaliados apresentaram aprendizado adequado. Esse percentual ainda se divide em níveis diferentes, conforme habilidades previstas nos descritores. Ou seja, o índice em si não expressa a realidade particular de cada escolas e das proposições que são necessárias para melhoria do ensino. Não podemos cair nessa cilada de acreditar que essas avaliações externas e padronizadas apresentem elementos consistentes e reais para verificar a qualidade da educação em nosso país. ele pode ser um ponto de partida, mas quando pormenorizado e pensado na particularidade de cada escola, suas condições administrativas, de alimentação, de pessoal e de trabalho pedagógico, observaremos que esse índice não aponta para um melhor futuro de investimento na escola pública, para todos.
    Obrigada por seus posts!!!
    Milene

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s